Pular para o conteúdo principal

Gaúchos à beira do Hitler

No ano de 2005, os gaúchos torraram, de forma estimada, R$21.928.066,23 para que fossem emitidos 734.042 Riograndense Ahnenpasses, popularmente conhecidos como "carteira de identidade". Para "facilitar" a emissão dos Ahnenpasses, o governo do Rio Grande do Sul licitou um sistema que será chamado de e-Ahnenpass. A notícia, como de costume, foi dada da maneira mais séptica possível, típico de media outlets que acreditam que liberdade de expressão é concordar com o governo.

Vamos analisar o edital do e-Ahnenpass:
Todas as FIDs (tanto as originadas em postos on-line, quanto off-line) deverão ser remetidas à CED, a ser implantada pela CONTRATADA nas dependências do IGP/DI/RS em Porto Alegre, RS, via malote. Na CED, a CONTRATADA deverá digitalizar as FIDs dos postos off-line, sendo que as imagens das impressões digitais deverão atender ao padrão internacional ANSI/NIST – ITL-1-2000 - também especificados pela Senasp do Ministério da Justiça para geração do Servidor ANSI/NIST Decadatilares da Base Biométrica Nacional (500 dpi ópticos de resolução, 256 tons de cinza – grayscale – e compactação WSQ 15:1), não vinculando tampouco restringindo a utilização de quaisquer tecnologias AFIS. A fotografia e a assinatura deverão ser digitalizadas em no mínimo 500 dpi, para permitir a emissão da Carteira de Identidade com imagens nítidas e de boa qualidade. Todas as FIDs deverão ser indexadas pelo número único de identificação civil (RG) e posto de origem. (grifo meu)
A criaçao de um megabanco de dados de impressões digitais está sendo maquinado por debaixo dos panos. Para os que acham que biometria é uma grande coisa, aqui vai um ar de inteligência para vossos intelectos:
Antes de avançarmos na análise do Projeto, é preciso expor algumas considerações adicionais sobre a biometria, que tem sido apresentada como alternativa à assinatura digital, mas que nem serve para ocupar a função de assinatura, nem é a panacéia que se tem sugerido.

Primeiramente, é oportuno dizer que qualquer controle biométrico envolve um segredo compartilhado. Ou seja, quem realiza a conferência, tem que previamente conhecer o padrão biométrico do sujeito e ter certeza que este padrão corresponde a ele.
(...)
Se pudermos ter certeza que os bits enviados para comparação provêm de um leitor de olhos não violado, e que o caminho entre o leitor e o sistema verificador não pode ser interceptado, a biometria pode ser um eficiente meio para controle de acesso de usuários. Algo somente possível em sistemas fechados, como, por exemplo, o controle de acesso a recintos de segurança máxima, em que a leitora de olhos é colocada à sua porta.

No entanto, em sistemas abertos, não se pode ter certeza que os bits enviados foram recém colhidos dos olhos do usuário: pode ser uma digitalização já armazenada, que está sendo remetida diretamente por um computador, sem o uso de um leitor, nem da própria pessoa "original".
Se isso não fosse o suficente, os ditos-cujos querem criar um sistema de georefereciamento que possibilite o controle de todos por meio de um mapa gigantesco do estado do Rio Grande do Sul:
Os registros dos endereços dos indivíduos cadastrados no Sistema de Arquivamento Eletrônico de Documentos-2 deverão ser estruturados utilizando critérios georeferenciados que permitam geoprocessamento, obedecendo a menor fração denominada setor censitário do IBGE, já que o Estado do Rio Grande do Sul dispõe de estrutura de dados criminais que podem ser inseridos em grade cartográfica, possibilitando, assim, que aconteça as interligações de diferentes dados, respeitados os limites geográficos escolhidos, o que oportunizará, por conseqüência, estudos e compreensão de fenômenos criminais em determinados espaços geográficos.
Então, vamos combinar de criar um mapa mostrando todos os seres viventes no RS. Ora só, isso sequer existe na Coreia do Norte.

E para fechar com chave de ouro:
3.32) A CONTRATADA deverá fornecer sistema de reconhecimento facial, devendo ainda processar (executar o software em) a base de dados criminais do Rio Grande do Sul, com aproximadamente 350 mil indivíduos, com uma foto por indivíduo, existente no Sistema de Arquivamento Eletrônico de Documentos original, na plataforma PMP (pequena e média plataforma), armazenadas em estrutura de diretório de arquivos. A CONTRATADA ainda deverá atualizar permanentemente o banco de dados criminais (cerca de 15 mil novos registros anuais) com o aproveitamento de registros civis do Sistema de Arquivamento Eletrônico de Documentos-2, quando for o caso, assim como processar os dados criminais novos (coletar, processar, armazenar) obtidos em postos on-line ou off-line, para ser utilizado pelo Instituto-Geral de Perícias na realização de perícias criminais e pela área da Justiça e da Segurança a critério da Secretaria da Justiça e da Segurança, devendo ainda ser compatível e intercambiar dados com o sistema de câmeras de monitoramento da criminalidade (videomonitoramento), com o objetivo de fazer leitura de imagem (rosto) de pessoas por meio de câmeras de alta definição, consultando o cadastro criminal para identificação de pessoas. Esse intercâmbio de dados entre o sistema de reconhecimento facial e o sistema de videomonitoramento será feito com a disponibilização, na base de dados do videomonitoramento, da base de dados criminais, tendo como interface o software de reconhecimento facial, fornecido pela CONTRATADA, e na outra extremidade a câmera de captura de imagens.
Se já estamos fazendo gato e sapato da privacidade dos gaúchos por que não acompanhar em tempo real os gaúchos? Como se sabe, câmeras de vigilância são extremamente efetivas no combate à criminalidade. Só em Washington as câmeras de vigilância conseguiram resolver 0 crime, contribuíndo de forma decisiva para a "redução" da criminalidade na capital dos EUA. Tabém não é dito que o reconhecimento facial tem um nível alarmante de falso-rejeição, o que deixará a bandidagem à solta, enquanto os cidadãos de bem tem sua privacidade devassada para que algum burrocrata possa se satisfazer nos seus desejos insanos de autoritarismo.

Tudo isso explica a secretividade do governo gaúcho quanto a emissão de e-Ahnenpasses e a docilidade da mída adestrada.

P.S.: A cada e-Ahnenpass emitido, a empresa emissora ganha R$11. De onde sairá este dinheiro? Isso, do seu bolso!

Acompanhamento mês-a-mês (2005) por recursos "captados" dos gaúchos:















Acompanhamento mês-a-mês (2005) por Ahnenpasses emitidos:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…