Pular para o conteúdo principal

Algumas opiniões sobre a Lei 9454/97

Algumas opiniões que coletei na Web:

Pró-Liberdade

Catação, TT. "O Estado em Big Brother." Correio Braziliense. 10 Fev. 2002. 24 Dez. 2006
A Lei nº 9.454 quase entra em vigor. Ela instituía o documento único de registro civil de identidade, para substituir todos os nossos documentos pessoais, sem exceção. Não está em vigor mas paira sobre nós. O número único serviria principalmente para sofisticar os urros do Leão: a Receita pretende checar os chamados ‘‘desvios de comportamento’’.
Vianna, Cynthia M. "Da privacidade como direito fundamental da pessoa humana." BuscaLegis.Ccj.Ufsc.Br. UFSC. 24 Dec. 2006.
Porém, não se vê discussão alguma na mídia sobre o assunto, o que é deveras preocupante, pois o Brasil tem uma lei instituindo o número único. (lei nº 9454, de 1997, que entrou em vigou em 2002, mas felizmente até hoje nada foi feito para implementá-la). Esta lei, resquício não só de um período ditatorial, mas de um sistema de identificação ligado à estrutura nazista de massacre dos opositores, não teve grandes repercussões na mídia, e sequer foi discutida adequadamente.
Missali, Guilherme. "Número único para quê?" Ofinica LiteráRia Puntel. 6 May 2006. 24 Dec. 2006
Assim, caso o número único for definitivamente implantado, não estaria o Brasil em profundo retrocesso com a realidade contemporânea? Em qualquer nação onde for implementado um projeto semelhante, aromas fétidos de um passado totalitário voltaria a escalar.
Isso mesmo! Um adolescente tem muito mais conhecimento de direitos individuais do que o socialista-caviar de 5ª categoria chamado de FHC.

Cunha, Eurípedes B. "ASPECTOS LEGAIS DA PORTARIA SDE Nº 05/2002." Universidade Virtual Brasileira. 24 Dez. 2006
Irônico é o cenário atual em nosso país, em que convivem normas avançadas como o art. 21 do CC, regulamentando preceito fundamental que versa sobre a privacidade e a Portaria SDE nº 05/2002, de um lado, e do outro a retrógrada Lei nº 9.454/97...
O "número único" implica na vigilância permanente das pessoas pelo Poder Público, implica no acompanhamento integral de todos os passos das pessoas, desde uma pequena compra com cartão de crédito a viagens ao exterior.
Este é o 1º brasileiro a citar Richard Thomas, Comissário de Informação do Reino Unido.
Fucs, André. "deus é brasileiro,John Locke não. Locke deu sorte(ou não?)." Distante. 05 Jun. 2006. 24 Dez. 2006
Mas enquanto isso na Inglaterra de Locke... a tentativa governamental de criar um documento de identidade único com informações biométricas tem esbarrado em enorme resitência de parte da população. E olha que por lá o governo tem um pouco mais de respeito para com o dinheiro público. É curioso como o que para os compatriotas de deus é comum, para os compatriotas de Locke é uma afronta.

Privacidadefóbicos

"Teoria Geral do Delito pelo Colarinho Branco." 24 Dez. 2006
Veículos, armas, etc. têm registro(identidade) nacional unificado. Pessoas, não.
Pastore, José. "Informalidade: Estragos e Soluções." Coppead. Congresso do Coppead. Rio de Janeiro. 8 Out. 2004. 24 Dez. 2006
A instituição de um cartão único de identificação - o cartão da cidadania - além de promover uma colossal redução de pessoal e despesas para a máquina pública - permitirá ao Estado mais facilidades para verificar o cumprimento dos deveres dos cidadãos.
(...)
Em que o cartão único ajudaria? Todos os brasileiros teriam de possuir esse cartão. Ele funcionaria como uma espécie de passaporte da cidadania. (...) Sem o cartão, eles ficariam impedidos de realizar transações e ter acesso aos benefícios públicos.

Feliz Natal!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…