Pular para o conteúdo principal

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.
Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, devemos nos questionar o que é identidade, se esta é um pedaço de papel emitido por um burocrata de plantão ou se é a consciência individual de cada ser ao se diferenciar de outros.

O que os Zé Cadastros também não analisam é a facilidade de ser falsificar impressões digitais. E isto dá para fazer em casa e é bem barato.

Clonando impressões digitais de leitores óticos

  1. Registre sua impressão digital no leitor.
  2. Tenha em mãos um tubo de silicone, uma caixa de Bostik Blu-Tack (ou outra massa para fazer moldes) e um pedaço de cartão.
  3. Pegue um pedaço de de Blu-Tack e faça um molde do dedo.
  4. Encha o molde com silicone.
  5. Tire o excesso de silicone com o cartão para deixar o silicone fino.
  6. Depois de algumas horas, a cópia da impressão digital está pronta.
  7. Coloque a cópia no leitor de impressão digital e utilize um dedo não cadastrado para pressionar o molde.
  8. Voilá! Tu acabaste de clonar uma impressão digital.
Clonando impressões digitais latentes (aquelas que ficam em vidros, etc.)

  1. Evidencie a impressão digital utilizando com pó de grafite, ou então, cianoacrilato, que é o componente principal de colas como SuperBonder.
  2. Digitalize a impressão digital, ou por meio de uma câmera fotográfica, ou escanenado a impressão digital.
  3. Trate a imagem para melhorar o contraste claro-escuro.
  4. Imprima a impressão digital numa impressora laser utilizando slide para transparência.
  5. Utilize cola para madeira para criar o molde da impressão digital.
  6. Espere secar, descole do slide e recorte.
  7. Pronto, agora tens um molde que dá para carregar no bolso.
Experiências parecidas com aquela famosa experiência japonesa de clonagem de digitais. Fica a questão: como confiar em sistemas nazistas de controle de alunos? Ou então, nas imbecis urnas eletrônicas que conseguiram subir um nível em imbecilidade com testes de leitores de impressões digitais em 2008?

Comentários

Anônimo disse…
Parabéns pela "verificação" ..

Estou interessado em adquirir a Bostik Blu-Tack, já procurei no Brasil inteiro e não consegui nenhum produto similar. Somente encontrei no amazon.com.uk .. custando 1.75 euros .. se souber de algo agradeço.. e-mail para contato - anarkinhow@hotmail.com
Marla Oliveira disse…
Será que é possível alterar minha impressão digital no meu próprio dedo? Quer dizer se eu cortar ou danificar o meu dedo, minha digital é afetada? Tipo no filme MIB - Homens de preto?
Rodrigo Veleda disse…
Oliveira,

Se tu cortares o dedo e ficar cicatriz, certamente alterará a tua impressão digital. Outras coisas também alteram as impressões digitais, como o manuseio de ácidos. É comum o pessoal que coleta laranjas e outras frutas cítricas terem suas impresões digitais apagadas.
Amigo, onde consigo massa pra fazer moldes não achei na net to precisando pra fazer um molde da minha digital...

abraço
Anônimo disse…
Também é possivel clonar sua impressão digital usando a cola durepoxi, "otimo para quem não tem tempo para fazer aulas em auto escola"
Roni Romão disse…
Não sabia dessas formas de falsificação, vou tentar aqui no meu leitor.
Mas de qualquer forma, sei que existe um software que detecta impressões digitais falsas, LFD da Futronic (http://www.youtube.com/watch?v=lQcUHC4uEu0).
Nadiel Dias disse…
como pode um imbecil desses postar um lixo desses. cara vai estudar um pouco mais quem falou que existe falso positivo? quando vc viu um? em qual literatura científica vc viu isso? quem falou que pode ser moldado uma impressão entintada? a ignorância tem limites e vc ultrapassou todos eles é hilário seus comentários não vou encina-lo por que quero que mais pessoas vejam o quao infeliz foi esses comentários. passar bem e estude mais ta muito fraco pra escrever sobre papiloscopia.
Clemil Araújo disse…
Bom exemplo no link apontado por RONI ROMÃO, que existem softwares que detectam impressões digitais que não partiram diretamente de um dedo, são mera reprodução. Basta um pouco mais de pesquisa constatamos que há muita desinformação a respeito. Concordo com a indignação de NADIEL DIAS, pois opiniões desprovida de comprovação de órgãos credenciados, induzem muitos a erros. Nós que pesquisamos esse assunto, ficamos muito tristes por ao constatar que há muito lixo por aí, distorcendo a realidade, podendo causar estragos na cabeça das pessoas sérias, porém desavisadas.
Roni Romão disse…
Realmente há muita falta de informações nesta área, na verdade em muitas áreas da TI.
Vários leitores capturam a impressão digital através de imagem multiespectral, que conseguem diferenciar carne viva de não-viva e de outros materiais.
E mesmo que seja usado um molde sobre um dedo vivo, este também é rejeitado, pois algumas tecnologias observam as estruturas internas que respeitam e ditam os padrões externos dos cumes da impressão digital, detalhes internos podem ser comparados com o padrão da superfície.
Assim, os sensores podem verificar que a "impressão digital interna" não corresponde à externa.

A impressão digital continua sendo a tecnologia biométrica mais prática, confiável e com menor custo.
Anônimo disse…
Nadiel Dias, Tudo bem que o moço precise estudar papiloscopia, mas você precisa estudar o português.
Caraca, quanto erro! hahaha

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…