Pular para o conteúdo principal

Até o Mercadante é contra...

Num país assolado pela violência, o que deve ser feito para diminui-la? Construir mais presídios, investir em treinamento dos agentes policiais? Não na Terra do Futuro. Uma das propostas doentias (se é que existe alguma decente) é o PLS 140/2007, que autoriza a quebra do sigilo bancário sem ordem judicial. Abaixo, a lista do que deixaria de ser sigiloso:

§ 5º Não são dados sigilosos para os fins de investigação de ilícito penal:
I – os cadastrais, que informam nome, endereço residencial ou comercial, estado civil, registros de identidade e de cadastro de pessoa física ou jurídica;
II – os que informam em quais instituições financeiras a pessoa mantém contas de depósitos, aplicações ou investimentos, assim como os números dessas contas e respectivas agências;
III – os que informam se a pessoa possui ou não capacidade financeira ou patrimonial para realizar determinadas operações ou transações com determinadas quantias;
IV – os valores globais mensalmente recolhidos de Contribuição Provisória de Movimentação Financeira (CPMF), com a respectivaidentificação do contribuinte e da instituição financeira;
V – os sigilosos, cuja revelação seja expressamente consentida pelos interessados;
VI – os obtidos mediante auditorias internas, realizadas pelas instituições financeiras, ou externas, por empresas contratadas para tal fim;
VII – a movimentação financeira em contas bancárias de instituições públicas, ou de instituições em que o Poder Público detenha a prerrogativa de indicar a maioria dos administradores. (NR)”

Então, é o seguinte. Basta um procurador ou policial que tem alguns issues com terceiros para que estes possam dar uma boa xeretada na tua vida bancária. E claro, tu não tens como, por exemplo, saber quem espionou teus dados e nem o fim que deu deles.

E vamos para justificativa. Vamos ao primeiro trecho de interesse:

As novas exceções ao dever de sigilo não possuem qualquer conteúdo que fira a intimidade e a vida privada das pessoas, uma vez que, em primeiro lugar, apenas informam dados básicos e acessórios sobre suas vidas, como nome, endereço, em que banco possuem contas, se detêm capacidade financeira para fazer certas transações, entre outros, que em nada se opõem à garantia constitucional esculpida no inciso X do art. 5º da nossa Lei Maior, e, em segundo lugar, constituem dados que se dirigem exclusivamente ao próprio Estado – nenhuma entidade privada poderá a eles ter acesso.
Realmente não existe nenhuma violação da privacidade em permitir que um burocrata saiba aonde tu tens conta-corrente, teu endereço e teus dados pessoais que podem ser utilizados para fins ilícitos (como roubo de identidade). E para completar, a medonha desculpa que os dados se dirigem ao estado. Eu prefiro que uma entidade privada tenha acesso à informações pessoais minhas quando há o meu consentimento do que ser bisbilhotado sabe lá por quem. E como se o governo também soubesse proteger dados pessoais. Vai no centro de São Paulo capital, Carequinha, e compre aqueles CDs que provam como o estado cuida bem dos dados pessoais que ele arranca à força das pessoas. Aliás, sr. Torres, por que o senhor não faz público os dados bancários seus referentes ao teu PLS?


Continuando nossa jornada espiritural pelas profundezas píricas da justificativa do PLS nos deparamos com outro argumento 1/51564894511889 de neurônio:
Outra exceção são os valores globais de CPMF. Por serem globais e de base mensal, em nada ferem a intimidade e a vida privada das pessoas, pois são apenas números, desacompanhados de referências de pagamentos, origens ou destinos. A principal utilidade deles é o cruzamento com a renda declarada do contribuinte, procedimento de inegável utilidade pública, pois identifica claramente aqueles que cometem crimes contra a ordem tributária, modalidade criminosa tão danosa para a implementação das políticas públicas.
Em primeiro lugar, o simples fato de saber quanto uma pessoa paga de CPMF é violação da privacidade já que os atos originadores da CPMF são dados, digamos assim, protegidos pelo sigilo bancário (transferências und so weiter). E em segundo lugar, qual a utilidade de querer saber os montantes recolhidos de CPMF quando a base de comparação só pode ser acessada por meio judicial?

E como se diz por aí, the best for last! No melhor do "crime é causado pela sociedade":
Não há qualquer razão plausível para que o próprio Estado delas não possa ter acesso em nome do interesse público, postura equivocada que apenas o deixa refém da sociedade civil, uma vez que a proteção dessas informações, hoje, só serve para atrasar o trabalho investigativo da polícia e do Ministério Público, atolar ainda mais o Judiciário e dar tempo para os criminosos garantirem o produto e o proveito do crime. (grifo meu)
Que perigo! O estado sendo refém da sociedade civil. Devemos abortar imediatamente qualquer medida que coloque o estado como refém da sociedade civil como o direito de processar o estado, plebiscitos e até o voto em si. Vai ver por isso que o sr. Torres é careca; deve ter superaquecido o cérebro tão forte que cozinhou os folículos capilares. E esta tal desculpinha bisonha do suposto "seqüestro do estado" (num país com carga tributária de 40%) pode ser utilizada por qualquer tirano de plantão. Esta declaração per se já é demonstração clara e inequívoca de que o sr. Torres está pouco se lixando para a privacidade. E continuando com a imposição de culpa na sociedade (a tal "seqüestradora" de estado), sr. Torres afirma que a atual proteção (quase inexistente) só "serve para atrapalhar o trabalho investigativo" e "[para] atolar ainda mais o Judiciário". Agora, Zé Careca alega que a atual e mixuruca proteção do sigilo bancário só atrapalha, como se todas as pessoas fossem automaticamente suspeitas de crimes financeiros só por terem uma conta. E se falando de "atolar ainda mais o Judiciário", Zé Careca se esqueçe que o seqüestrado (estado) tem prazo em dobro nos deadlines dos processos e que este é o grande entupidor de tribunais de apelação por todo o Brasil.

Quando um projeto de lei que versa sobre sigilo é questionado por Aloizio Mercadantee pelo atual presidente da OAB, isto significa que o projeto é um ataque frontal impiedoso contra a privacidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

E continua a disCUssão® sobre o Cadastro Único, agora com o nome de Registro Civil Nacional

No post anterior, eu falei sobre a versão 3.0 do Cadastro Único, o CU, que atende pelo nome atual de Registro Civil Nacional. Uma das novidades da disCUssão® sobre o CU 3.0 é a oposição corporativista ao CU 3.0 propriamente dito e a quem deve ser confiado o nosso CU.
Uma das novas brigas que surgiram pelo CU 3.0 dos brasileiros é entre Dias Toffoli e Julio Lopes, o relator do PL 1775/2015. O PL, de autoria do desgoverno Dilma Rousseff, diz que o CU 3.0 dos brasileiros será administrado pela Justiça Eleitoral, pois essa coleta ilegalmente informações biométricas dos eleitores brasileiros. O Sr. Lopes, por sua vez, quer que a Receita Federal administre o CU 3.0. E, felizmente, o impasse está gerado. O Globoreporta: O debate sobre identidade única para o brasileiro gerou acirrada discussão entre autoridades dos três Poderes na última quinta, na comissão especial da Câmara que analisa o projeto do Executivo que cria o Registro Civil Nacional (RCN). O negócio foi um petardo atrás do outro…