Pular para o conteúdo principal

Coelhinho da Páscoa, me traga um cérebro!

O senador vitalício Pedro Simon (PMDB-RS) foi o autor do escandaloso PLS 32/1995, que virou o mais absurdo ataque a privacidade no Brasil, com a sanção de FHC, a Lei 9454/1997, fez uma defesa do seu projeto de lei que deve estar escrito na lápide de Joseph Stalin. Simon utilizou-se do Plenário do Senado para fazer um pronunciamento cheio de pérolas autoritárias:
Imaginem então se conseguirmos fazer que, a partir de hoje, as crianças recebam um número, ao nascer, que as acompanhará. Quando a criança for à escola, a sua matrícula terá esse número; se alguém depositar dinheiro em favor dessa criança, a conta bancária terá esse número; quando ela for servir o Exército, o seu certificado militar terá esse número; quando ela for para a universidade, terá esse número; se ela se formar em medicina, terá esse número; a sua carteira de motorista e o seu atestado de saúde terão esse número. Esse será o número que a acompanhará sempre, em todos os documentos.
Para que tratar seres humanos como seres humanos se tu podes tratá-los como vacas! E estou falando de vacas no sentido brasileiro, não no sentido indiano. E o projeto-modelo está em pleno vigor com o tal Sisbov, um sistema que dá a cada vaca brasileira um número de identidade, para que tal vaquinha seja totalmente rastreável. O que o sonho de toda viúva do Stalin, se bem que pela idade de Simon, ele deve ser a sogra do próprio.

E confirmando a minha teoria de que Simon acha que pessoas são coisas, vamos ler o parágrafo seguinte:
Dezenas de carros são furtados no Brasil, passam diariamente pela Ponte da Amizade, no Paraguai. No momento em que esse plano estiver em funcionamento, ao pararem o carro, o motorista deverá mostrar os documentos. Apertando um botão apenas se poderá constatar se aquela carteira de identidade existe mesmo, se aquele número é real, se o nome na carteira existe, se aquele carro com aquele chassi existe e se está no nome do motorista. Se não estiver, ele estará preso. Não será preciso nada além disso. É singelo, é simples. No entanto, milhares de motoristas passam com carros roubados, com carteiras de identidade falsas, sem que se possa fazer absolutamente nada. Isso é de uma normalidade clara.
Então tá. Se a tua mulher pegar o carro para trazer algumas muambas básicas, cadeia nela! Se tu emprestares o carro para o teu filho, Presídio Central! O simples fato do carro não estar no nome do motorista não significa que este foi roubado ou furtado. Para isso, se confere a placa e/ou o chassis do carro. A não ser que o nosso querido senador vitalício queira criar um Registro Nacional de Empréstimos de Carros para que estes problemas não ocorram.

Num País como o nosso, o próprio censo diz que, em algumas favelas, de algumas cidades, ele não vai, porque as pessoas não têm carteira de identidade - não existem, não têm número, não têm absolutamente nada. Num País como o nosso, milhões de pessoas não nasceram, pois não têm certidão de nascimento, não morreram, pois não tiveram certidão de óbito, não viveram, pois não têm nada. Instituir um sistema em que o Brasil conheça o Brasil parece-me realmente o mais importante no que tange à luta pela segurança. (grifo meu)
Eu gostaria de saber por parte de Pedro Simon, ainda mais que ele é formado em Direito, se quando uma pessoa mata outra que não tem certidão de nascimento há o crime de homicídio, já que, de acordo com Simon, aquela referida pessoa morta não tem existência legal. Vou mais longe: dá para se afirmar que Simom preza mais os animais do que pessoas sem um pedaço de papel carimbado, já que os animais são considerados existentes independentemente de haver uma certidão de nascimento. Achar que uma pessoa não é uma pessoa devido a falta de um pedaço de papel é de uma discriminação típica de regimes como o soviético, cubano, norte-coreano e outros.

Comentários

Liamara disse…
Antes não-nascido do que não-vivido.
Ou será que a adestração social moderna é o sonho existencial de todo mundo?

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…