Pular para o conteúdo principal

E viva a desobediência civil

Uma reportagem d'O Estado de S.Paulo mostra que as lan houses e estabelecimentos do gênero na cidade de São Paulo não se prestam a fazer o medonho papel de censores da Internet à la China. Sim, estou falando da medonha Lei 12.228/2006, que obriga o cadastramento de usuários em tais estabelecimentos.

Para a procuradora do MPF (que se supõe defender as liberdades individuais, entre elas as privacidade), Thamea Valiengo, disse que "[p]ode não parecer, mas falamos de uma lei que teoricamente deveria evitar a pedofilia e os crimes de ódio". Cara Sra. Valiengo, existe uma grande diferença entre a teoria e a prática. Por exemplo, teoricamente, o socialismo acabaria com a pobreza e as desigualdades socias. Teoricamente, pois, na prática, foi uma máquina de homicídios e de dor.

Agora, falando com quem entende na prática, ao contrário de Valiengo e seu wishful thinking totalitário, o dono da Internet Café disse que a identificação fascista de usuários é “uma exigência complicada demais para ser cumprida”. E também disse, num belo exemplo de luta contra o autoritarismo, que “[v]ou continuar descumprindo a lei. Afinal, para pedir identificação, vou precisar de um funcionário só para isso”. Outro funcionário de outra lan house disse que pedir identificação aos usuários é “fazer com que os clientes passem por um constrangimento desnecessário”.

Só mesmo no wishful thinking fascista de Valiengo para acreditar que a lei evitaria "a pedofilia e os crimes de ódio", uma vez que basta o meliante apresentar dados falsos para o estabelecimento, ou pior, utilizar dados alheios para cometer crimes, desviando o foco das investigações para pessoas que, talvez, nunca colocaram os pés numa lan house, ou mesmo, acessaram a Internet. Só fica uma questão: o que fazer com o "ódio" que Valiengo tem contra a privacidade?

Comentários

Anônimo disse…
Se todos pensassem como você, aí que as leis do Brasil não iriam para frente mesmo.
A procuradora está certíssima.
Trate de reaver seus conceitos, e aí sim poderá discutir melhor com alguém sobre um assunto sério como esse.


Sem mais!

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…