Pular para o conteúdo principal

Cadastrão bancário

Como de costume, a grande mídia brasileira não noticia uma das maiores violações da privacidade bancária no Brasil: o Cadastro de Clientes do Sistema Financeiro Nacional (CCS). O CCS foi criado pela Lei 10.701/2003, que inseriu o art. 10-A na Lei 9.613/1998; o artigo, criação do desgoverno Lula, tem o seguinte texto: "O Banco Central manterá registro centralizado formando o cadastro geral de correntistas e clientes de instituições financeiras, bem como de seus procuradores." Para implantação deste sistema de violação de privacidade, o governo gastou, do nosso dinheiro, R$ 20 milhões para implantar o Hal, o "carinhoso" apelido da geringonça anti-privacidade.

Agora, as instituições bancárias terão que alimentar o tal de Hal, sob pena de sanção administrativa. A reportagem não fala nada sobre os riscos à privacidade que tal sistema, por si só, coloca mas o interessante é a fala da sra. Claudia van Heesewijk, que diz que "[o] CCS significa um grande avanço em termos de agilidade nas investigações e de resguardo à privacidade dos clientes”. Bom, somente para van Heesewijk é que a centralização de dados de propriedade de contas bancárias em um cadastro estatal é um avanço no resguardo à privacidade dos clientes. Só que o mais peculiar desta citação é o fato da mesma ser um texto virtualmente idêntico numa página do Banco Central: "o Cadastro significa um grande avanço em termos de agilidade nas investigações e de resguardo à privacidade dos clientes do SFN."

A lógica de tal cadastro não faz sentido, uma vez que outros elementos da investigação podem determinar de forma precisa onde tal pessoa investigada mantém contas bancárias. Tal cadastro é totalmente ineficiente contra contas no exterior, já que hoje em dia dá para se viver confortavelmente em qualquer país do mundo com o grosso (ou total) das movimentações financeiras num outro país. E também não há a menor menção no fato de poder haver uma quebra do sistema, o que exporia todas as contas e seus proprietários. Ou então nossos inteligentes e bem pagos burocratas não conseguem conceber a idéia de hackers querendo invadir uma das jóias da coroa dos dados pessoais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…