Pular para o conteúdo principal

Por que tu fazes isto contigo mesmo?

Este blog mira em todos os lados, esquerda ou direita, e não perdoa nem mesmo meus colegas de partido. Desta vez, a picuinha é com Vic Pires Franco (DEM-PA). Para que tu tenhas uma noção do que estou falando, Franco patrocinou a cena mais bizarra e patética da ainda mais patética CPI da Crise do Sistema do Tráfego Aéreo, o bate-boca das barrinhas de cereal da GOL no dia 31 de maio de 2007, que transcrevo na integridade:
O SR. DEPUTADO VIC PIRES FRANCO - Mas, ao longo desse tempo, de lá para cá, a gente vê que quando a gente tenta fazer reservas, a gente não vê isso, a gente não vê essas diferenças brutais das tarifas da GOL para as outras companhias. Eu tenho alguns exemplos aqui, com outra companhia concorrente sua, e vou dizer claramente, TAM e outras, em que as passagens aéreas da GOL às vezes são mais caras do que as passagens da TAM. Essa filosofia era dos baixos custos. Eu lembro na época que disseram o seguinte: era só uma barrinha de cereal e líquido, refrigerante. Continua sendo a mesma barrinha de cereal. Outro dia, por exemplo, eu entrei no avião e sentei ao lado de uma senhora que me deu 3 barrinhas de cereal. Eu disse: “A senhora não quer?” E ela disse: “Não, é que eu venho não sei de onde e já me deram barrinha de cereal, barrinha de cereal, e eu odeio barrinha de cereal”. Eu fiquei com as barrinhas de cereal e comi. Eram de banana, muito gostosas. Mas é só barrinha de cereal. Será que não daria para o senhor mudar essa filosofia da barrinha de cereal para alguma coisa mais (Risos)... Já que a gente voa tanto, um bombom de cupuaçu...
E outra coisa: o senhor tem uma tarifa que enlouquece o Brasil. O senhor tem uma tarifa de 50 reais que ninguém consegue, poucos conseguem.
Outro dia, minha filha dormiu no computador, porque ela queria levar o namorado para Belém, e aí sobrou para o sogrão aqui, porque ela não conseguiu ter acesso à tarifa de 50 reais.
Eu, de vingança, fui pela TAM, coloquei o garoto pela TAM e ele foi pela TAM.
O SR. CONSTANTINO DE OLIVEIRA JÚNIOR - Vingança com o garoto?
O SR. DEPUTADO VIC PIRES FRANCO - Também. Aí eu teria mandado por outra companhia. Vocês estão rindo, mas é verdade. Ela ficou, Presidente Constantino, a noite inteira na frente do computador, e ela dizia: “Pai, eu não agüento mais”. “Minha filha, eu não tenho culpa, só se eu ligar para o Constantino”. Ninguém consegue.
A gente não tem acesso. É uma propaganda bonita, de 50 reais... Para nós Deputados que viajamos toda semana, seria uma beleza 50 reais por viagem, mas a gente não consegue.
Mas eu gostaria de apenas fazer essa observação e ver se o senhor poderia... É apenas uma... Não sei qual é a filosofia, eu queria saber do senhor isso. Essa filosofia mudou? Porque a barrinha de cereal não, só se os preços...
O SR. CONSTANTINO DE OLIVEIRA JÚNIOR - Muito obrigado, Deputado. Com relação à variação dos preços, que foi o princípio da sua colocação, o que acontece é o seguinte: é difícil pontuar um determinado vôo, porque, como eu coloquei antes, muitas vezes a gente constrói a ocupação daquele vôo com passageiros de vários destinos e assim por diante. Num determinado momento, aquele vôo pode estar com uma ocupação extremamente elevada, e nesse momento não necessariamente a congênere, a competidora, está na mesma situação, ou seja, eventualmente ela está com um nível de ocupação bem abaixo naquele determinado vôo por um motivo ou por outro, por planejamento...
E continua piorando... Como sempre digo, de onde se menos se espera, daí é que não sai! Pois o mesmo Franco apresentou o PL 3279/2008 que "[o]briga condomínios de edifícios comerciais e residenciais a instalarem em suas áreas comuns sistemas de monitoramento e gravação de imagens." Sim, bem ao estilo de 1984. Daí a colocar uma câmera no teu banheiro estaríamos a uma barrinha de ceral de distância! Desnecessário dizer que não há prazo máximo para manutenção das imagens, quem poderá acessá-las, o pacote completo de qualquer coleta de dados civilizada. E para dar o toque de bizarrice ao estilo Deputado-Sem-Noção-E-Sem-Nada-de-Útil-para-Perguntar-em-CPI, há uma punição. Não ao uso indevido das imagens, Deus nos livre, mas a não instalação das câmeras:
Art. 2º Aos infratores da presente lei aplicam-se as sanções penais dispostas no
art. 305, do Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal.
O que diz o tal artigo:
Art. 305 - Destruir, suprimir ou ocultar, em benefício próprio ou de outrem, ou em prejuízo alheio, documento público ou particular verdadeiro, de que não podia dispor:
Pena - reclusão, de 2 (dois) a 6 (seis) anos, e multa, se o documento é público, e reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa, se o documento é particular.
Para o Mr. Barrinha de Cereal, não invadir a privacidade de condônimos merece uma punição mais forte do que espancar os condônimos ou invadir o espaço privado dos condônimos. E como o PL não tem nenhum tipo de informação científica da utilidade da tal proposta, quando muito apela para a lorota da utilidade das câmeras de vigilância, Franco apela para a comoção citando o caso Isabella Nardoni, típica tática desesperada de pessoas que não possuem nenhum tipo de argumentação baseada em fatos confirmáveis e verificáveis.

O pior de tudo, é que um absurdo como esse dá cria.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…