Pular para o conteúdo principal

Pesquisa interessante, reação ridícula

Uma pesquisa feita pela ONG SaferNet e pelo Ministério Público Federal mostra que 63% dos pais não impõem qualquer tipo de restrição ao uso da Internet pelo seus filhos. E 87% das crianças e adolescentes disseram navegar na rede sem restrições. E então, sem medo algum de dizer algo extremamente ridículo, a procuradora Adriana Scordamaglia diz:
Se alguém tem culpa nisso são os provedores, e até o próprio Estado, que não tem políticas públicas voltadas para a conscientização e prevenção no uso da Internet. Os pais ão sabem muitas vezes o que fazer.
Lógico, né sra. Scordamaglia, eu pago um provedor para que ele bisbilhote a minha vida dentro da minha casa, talvez esteja na hora de eu ir ao Procon reclamar da falta da presença do Fiscal de Puereza e Prevenção dos Vícios que o Vírtua deveria oferecer para mim... Quem sabe quandos as crianças nascem, nos já colocamos o nome do provedor de Internet para que todos saibamos que provedor é "responsável" pela crianaça. Gostei do trocadilho. Depois ela vem com a historinha de que o "Estado", a entidade mágica e abstrata que resolverá todos os males da humanidade, também deve se meter mas não os pais. Estes não podem e não devem interferir na navegação dos seus filhos mas tão só e somente só estranhos com motivos que ninguém sabe.

Pois falando em SaferNet, leio uma cláusula muito peculiar no Termo de Cooperação (apaziguamento) entre a dita instituição e a Google do Brasil:
CLAUSULA QUARTA -CONFIDENCIALIDADE

A SAFERNET nao poderá, direta ou indiretamente, divulgar ou se utilizar de indicadores e estatísticas gerados a partir das respostas fornecidas pela GOOGLE a SAFERNET, ou informações proprietárias da GOOGLE, decorrentes da implementação do processo referido no item "b" da CLÁUSULA PRIMEIRA para qualquer outra entidade além do MPF ou Polócia Federal, exceto se houver requisição de qualquer outra autoridade pública com poder legal de investigação ou ordem judicial obrigando a SAFERNET a tal divulgação.

PARAGRAFO ÚNICO: A GOOGLE concorda que todos os dados e informações geradas ou armazenadas no banco de dados da SAFERNET, provenientes ou oletadas ao longo da interação da SAFERNET com 0 público externo são de titularidade da SAFERNET, que poderá utilizá-los conforme necessidade e interesse da SAFERNET, inclusive para gerar e divulgar indicadores e estatísticas de interesse público.
Ou seja, a SaferNet não poderá divulgar nenhuma estatística referente aos "crimes via Internet", o que dará uma ampla margem para frases vazias do tipo "978% dos crimes no Brasil ocorrem no Orkut" e coisas do gênero.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…