Pular para o conteúdo principal

Artigo excelente

O deputado federal Max Rosenmann (PMDB-PR) escreve hoje um artigo excelente, muito bom mesmo sobre privacidade na "Opinião Pessoal" do ParanáOnline. O título é "Grampos e o direito à individualidade". Transcrevo o artigo na íntegra:
O Brasil voltou a viver um clima de apreensão e terrorismo estatal, com a proliferação das escutas telefônicas clandestinas, que sabemos agora, atingiram até ministros da mais alta Corte de Justiça do País, e representantes do Congresso Nacional. Trata-se de uma situação de extrema gravidade, principalmente quando consideramos que lutamos por mais de duas décadas para por fim a um regime de exceção, que justamente desrespeitava o direito à individualidade e promovia o terrorismo de Estado, invadindo a privacidade do cidadão para propósitos políticos.

Hoje o que assistimos no Brasil é um absoluto descontrole de certos setores do aparato policial, colocados muitas vezes a serviço de interesses políticos, para quebrar o sigilo telefônico, espionar e chantagear aqueles que não se curvam ao poder de plantão. São situações que nos trazem à memória momentos terríveis da humanidade, como o do regime nazi-fascista, que em nome de um suposto interesse maior de uma nação, promoveu a total quebra da individualidade, com interferência em todos os níveis da vida dos cidadãos, inclusive a censura, a tortura, a morte de pessoas e a destruição de livros que iam contra as idéias do regime.

Lamentavelmente, o atual governo no Brasil vem permitindo certos abusos por parte do aparato policial e de espionagem, que agora, vemos, atingiram os mais altos escalões do poder. A pior coisa que existe é quando o indivíduo é controlado pelo Estado. Cria-se um ambiente de desconfiança e de estímulo à delação que invariavelmente abre caminho para injustiças.

Quando se configura que na cúpula do Estado, há quebra da individualidade, o que dizer do cidadão comum, dos 120 milhões de brasileiros que possuem telefone celular? Que tipo de segurança e proteção à privacidade eles podem esperar nessa situação?

E não se trata apenas do sigilo telefônico, mas também o de correspondência, inclusive na internet, e da vida econômica, que hoje pode ser invadida pelos agentes do Estado e até por grupos privados através do cruzamento do CPF com a CPMF, que estão tentando reeditar através da CSS. É de conhecimento público, aliás, que se pode encontrar cópias de declarações de imposto de renda de milhares de brasileiros para serem adquiridas em formato de CD em qualquer vendedor ambulante das grandes cidades do País.

Ao mesmo tempo, temos as câmeras de vigilância espalhadas pelas ruas, edifícios e no comércio, como os olhos do “Grande Irmão” descritos por George Orwell na premonitória obra “1984”, que descrevia os horrores de um estado totalitário onde a individualidade foi absolutamente dissolvida em nome do interesse do regime político repressor. Só falta obrigar as crianças a ter um chip, e daqui a pouco teremos acordos internacionais para controlar eletronicamente as pessoas na alfândega.

O resultado é que vivemos em um clima de medo, que espalha a desconfiança e a insegurança por todos os níveis da sociedade. Temos que pensar muito nesta questão do sigilo. Nós brasileiros devemos defender a democracia, a liberdade e a individualidade, e penalizar duramente quem fere o sigilo das informações pessoais.

No momento em que a vida das pessoas estiver sob controle do Estado seremos um país infeliz. Estão brincando perigosamente com a democracia e colocando o Brasil em um sério risco. Este também é um assunto a ser analisado pelos eleitores. O povo, através do voto, pode opinar, e apoiar aquelas pessoas que defendem a individualidade e a democracia, contra aqueles que querem todo o poder para o Estado, à custa dos direitos básicos do cidadão.

Resguardar a intimidade é um direito fundamental e inalienável de todo brasileiro garantido pela Constituição Federal. Como bem colocam os juristas, “o direito à privacidade, concebido como uma tríade de direitos - direito de não ser monitorado, direito de não ser registrado e direito de não ser reconhecido e de não ter registros pessoais publicados – transcende os limites de mero direito de interesse privado para se tornar um dos fundamentos do Estado Democrático de Direito”.

Portanto, quebrar esse princípio significa na prática colocar em ameaça a democracia e abrir brechas para a instauração de um estado totalitário, em que a violação ao direito à individualidade se tornaria uma prática corriqueira e aceitável, com prejuízos incalculáveis para todos.
Dizer que o artigo é o melhor pronunciamento já feito por um deputado federal é simplesmente muito pouco!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…