Pular para o conteúdo principal

Alerta Tucano 1

Desenvolvi o prático Alerta Tucano, um sistema de aviso que identifica as tentativas de um membro do PSDB em atacar a privacidade alheia (para quem não sabe, privacidade é umas das coisas mais odiadas pelos tucanos). Agora, o deputado estadual e sem nenhuma chance (graças a Deus) de virar prefeito de Porto Alegre Nelson Marchezan Jr. resolve atacar a simples e boa Lei 12.926/2008 com o PL 153/2008, que proíbe a identificação de pessoas em condomínios e prédios. Ao contrário do deputado Iradir Pietroski (PTB), num backtrack lastimável, o sr. Marchezan Jr. é coerente na sua cruzada anti-privacidade, sendo um dos 3 que votaram contra o PL 115/2004 que deu origem à Lei 12.926/2008.

Eis que hoje li uma reportagem em Zero Hora, com alguns meses de atraso em relação ao dia que a lei foi sancionada. Reportagem padrão Zero Hora: anônima e com um forte viés anti-privacidade, esquecendo-se de avaliar os dois lados da questão. Mesmo seguindo sua posição editorial de ataque à privacidade, Zero Hora dá-nos algumas informações interessantes:

Somos contrários à retenção de documentos, mas quem entra nos condomínios precisa ser identificado. Quem decide sobre o acesso às casas são os representantes do condomínio, não o Estado. Se assim já acontecem assaltos, imagina sem. É uma incoerência – protesta Simone Camargo, vice-presidente de condomínios do Sindicato da Habitação do Rio Grande do Sul (Secovi/RS). (grifo meu)
Ora só, o tal "controle de fronteiras" não funciona mas mesmo assim nós temos que nos submetermos por que, deixa-me ver, é um preceito sagrado da Seita do Identitismo. Só pode, pois manter algo que coloca em risco a privacidade alheia, cria transtornos em entradas e não combate a criminalidade é algo totalmente irracional e que só pode ser explicado pela adoração fetichista de um pedaço de papel. E seguindo na única linha racional de Camargo e parafraseando-a, quem decide sobre o acesso aos dados dos documentos de identidade são seus emissores, não membros da Seita do Identitismo.

Depois, um tal de Eliandro Timm, dito pela reportagem como síndico de um prédio comercial faz de conta que a Lei 12.926 não existe:
Vamos continuar cadastrando quem entra até que tenha alguma determinação ao contrário. É questão de segurança (grifo meu)
Coisa triste ler e não entender o que está escrito! Já há a tal "determinação em contrário", sr. Timm. Depois temos o especialista em segurança Murilo Furtado que "lembra que o cadastro na portaria pode auxiliar a polícia a esclarecer eventuais crimes." Pode auxiliar não é a mesma coisa do que auxiliará, um denota possibilidade e outro denota ação num tempo futuro. Talvez o nosso hespessialista de plantão não conhece falsificação de documentos, suborno, coação e outras modalidades criminosas. Talvez a reunião da Seita do Identitismo demande muito tempo...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…