Pular para o conteúdo principal

Já estava prevendo

Desde o bendito dia 25 de março de 2008, eu sabia que a CPI da Pedofilia iria acabar dando nisso. Hoje, o Folha de S.Paulo reporta que a Polícia Federal quer obrigar os provedores de Internet a darem os dados cadastrais de usuários quando um cer pençante da PF achar que está ocorrendo crime de pedofilia sem necessidade de autorização judicial. Este absurdo é parte de um projeto de lei que foi encomendado pelos ceres rassionais da dita CPI à Polícia Federal. Uma outra sandice do anteprojeto, desculpa, expressei-me mal uma vez que não há nada que não seja sandice no anteprojeto, é criminalizar a exibição de imagens de sexo de pessoas que, mesmo sendo maiores de idade na realização do ato sexual, aparentam ser menores de idade.

Curiosamente, a Google é defendida pelo ex-Ministro da Justiça e persona non grata neste blog Márcio Thomaz Bastos.

P.S.: Se eu fosse o manda-chuva dentro da Google, já teria fechado a filial no Brasil e teria mandado as inteligências raras da CPI da Pedofilia, SaferNet, Polícia Federal e outras entidades de combate aos direitos individuais tomar bem fundo onde o Sol não bate.

Comentários

Anônimo disse…
Combate aos direitos individuais?! Entre usufruto de direito e abuso de direito há um abismo considerável...

Concordo que pedófilos utilizarão outras redes. Realmente. Mas saliento que a filtragem no Orkut bem poderia se tornar uma regra para as demais redes. Tem de haver um começo, não?

Quanto à pedofilia fora do mundo virtual, realmente investigar é difícil. A população é bandida. Ou você não sabia? A população financia o crime para se dar bem, acha que isso é liberdade!

Li este texto e penso que foi redigido por, no mínimo, um simpatizante à pedofilia. Não é possível. Não é possível que alguém use termos como "paranóicos" e "desconsideradores de soberania" só porque possivelmente terá de mostrar seus álbuns de fotos no Orkut. Não é possível que alguém esperneie tanto e insulte autoridades por um "direito à privacidade" quando há excessivos crimes encobertos. Em matéria de pedofilia, o Brasil só fica atrás dos EUA, Rússia e Coréia.

Como diria um amigo meu, é "excesso de falta do que fazer"...

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…