Pular para o conteúdo principal

Resposta a um questionamento feito a Polícia Miltar de São Paulo

Depois de ter anunciado que a PM de São Paulo torraria R$ 11 milhões em câmeras de vigilância, mandei um e-mail para mesmo. Abaixo, o e-mail e a resposta:
Assunto: Reclamação
» Pergunta
Gostaria de criticar a política de implantação de câmeras de vigilância na cidade de São Paulo patrocinada pela Polícia Militar. Primeiro, a forma que se coloca a implantação deixa crer que as câmeras de vigilância são extremamente eficientes, algo que não pode ser provado de forma conclusiva em nenhuma literatura séria no mundo. Aliás, a PM nunca apresentou uma literatura séria comprovando a redução de criminalidade causada (e com relação causal direta) por câmeras de vigilância. Segundo, não existe nenhuma política de privacidade quanto às imagens coletadas por tais câmeras.
Ninguém sabe por quanto tempo estas imagens serão armazenadas, quem terá acesso a estas imagens, quais as razões de acesso as imagens, que audita de forma independente os controles sobre estas imagens e por aí vai. Nem tampouco há um sistema em que a pessoa possa requerer se há alguma imagem dela gravada nem nenhum tipo de punição em caso de uso indevido das imagens, algo que acredito não existir. Gostaria de ter uma resposta para cada um dos questionamentos.
» Resposta
Prezado senhor Rodrigo,
Em atenção à reclamação formulada transcrevemos na íntegra a resposta do setor responsável:
Sr Rodrigo, primeiramente obrigada por expor a sua opinião com relação a implantação do Video monitorização, porém, cabe ressaltar que o Comando de Policiamento da Capital executa suas funções dentro da legalidade, cumprindo os direitos e garantias constitucionais. As imagens captadas pelas câmeras de video monitorização são armazenadas em seção restrita e segura, não estando a disposição para divulgação. Da mesma maneira que a comunicação realizada no Copom ( Centro de Operações da Policia Militar ), só podem ser utilizadas por determinação judicial em caso extremamente necessário, as imagens das câmeras também.Ten Gladys oficial P/5.
Fale Conosco PM
Ou seja, nenhuma das minhas perguntas foram respondidas, exceto pela questão da obrigação de uso de mandado judicial para acesso às imagens.

P.S.: Sim, estou pulando de raiva por um estranho chamar-me de Rodrigo. Quem me conhece sabe que tenho uma fixação doentia por sobrenomes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…