Pular para o conteúdo principal

Importante texto sobre o CU Israel

O CUzamento das populações é uma tendência mundial, infelizmente. Israel também embarcou na ideia do CU Israel, que conterá as informações biométricas de todos os israelenses. Para entender melhor o CU Israel recomendo a leitura de The State of Israel and the Biometric Database Law: Political Centrism and the Post-Democratic State de Nitzan Lebovic e Avner Pinchuk. Os dois últimos parágrafos merecema nossa atenção:

It is difficult, therefore, to understand how supporters of the biometric database could even ask, “Who’s afraid of fingerprints… in a society where most of one’s personal information is already accessible,” [104] or embrace the stupid notion according to which the right to privacy is the refuge of scoundrels and those “who have something to hide.” The serious fear of the biometric database is not about “fingerprints,” but rather about the all-knowing government: “information is power,” and absolute power corrupts absolutely. In a democracy, power must be limited and decentralized, and this is true with respect to the information concerning its citizens that the state has at its disposal. Constant surveillance is the unequivocal trademark of a police state and, therefore, we must protect our privacy even when we have nothing to hide. [105]

Toward the end of the first volume of Politics, Aristotle wonders what happens when a democratic government deviates from its principles. “Since the state is a partnership, and is a partnership of citizens in a constitution, when the form of government changes, and becomes different, then it may be supposed that the state is no longer the same… It is different when the form of its composition alters.” [106] In a state that surrounds itself with walls (here Aristotle warns that the state cannot be considered a “single unit” on the basis of the walls of the city, “for you might surround all Peloponnesus with a wall” [107] ), we should think twice before placing additional walls between the individual and his own body, between citizen and citizen, between citizen and government, and between government and government. Democratic government is based on partnership and not separation. A mechanism that, by its very nature, creates separation of a type that cannot be changed or erased is certainly anti-democratic, even if it temporarily reinforces the state. (grifos meus)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

E continua a disCUssão® sobre o Cadastro Único, agora com o nome de Registro Civil Nacional

No post anterior, eu falei sobre a versão 3.0 do Cadastro Único, o CU, que atende pelo nome atual de Registro Civil Nacional. Uma das novidades da disCUssão® sobre o CU 3.0 é a oposição corporativista ao CU 3.0 propriamente dito e a quem deve ser confiado o nosso CU.
Uma das novas brigas que surgiram pelo CU 3.0 dos brasileiros é entre Dias Toffoli e Julio Lopes, o relator do PL 1775/2015. O PL, de autoria do desgoverno Dilma Rousseff, diz que o CU 3.0 dos brasileiros será administrado pela Justiça Eleitoral, pois essa coleta ilegalmente informações biométricas dos eleitores brasileiros. O Sr. Lopes, por sua vez, quer que a Receita Federal administre o CU 3.0. E, felizmente, o impasse está gerado. O Globoreporta: O debate sobre identidade única para o brasileiro gerou acirrada discussão entre autoridades dos três Poderes na última quinta, na comissão especial da Câmara que analisa o projeto do Executivo que cria o Registro Civil Nacional (RCN). O negócio foi um petardo atrás do outro…