Pular para o conteúdo principal

Apalpação de genitália faz parte dos procedimentos de segurança em aeroportos

A paranoia com segurança nos aeroportos está tão escandalosa que agora as pessoas são apalpadas de forma indecorosa na genitália e outras partes íntimas em público sem aviso prévio e sem nenhum respeito pelo passageiro. Transcrevo na íntegra o que aconteceu com Erin Chase, que foi violentada sexualmente em público em nome da “segurança”:
She patted my left arm, my right arm, my upper back and my lower back. She then said, “I need to reach in and feel along the inside of your waistband.”

She felt along my waistline, moved behind me, then proceeded to feel both of my buttocks. She reached from behind in the middle of my buttocks towards my vagina area.

She did not tell me that she was going to touch my buttocks, or reach forward to my vagina area.

She then moved in front of my and touched the top and underneath portions of both of my breasts.

She did not tell me that she was going to touch my breasts.

She then felt around my waist. She then moved to the bottoms of my legs.

She then felt my inner thighs and my vagina area, touching both of my labia.

She did not tell me that she was going to touch my vagina area or my labia.
(…)
I stood there, an American citizen, a mom traveling with a baby with special needs formula, sexually assaulted by a government official. I began shaking and felt completely violated, abused and assaulted by the TSA agent. I shook for several hours, and woke up the next day shaking.

Here is why I was sexually assaulted. She never told me the new body search policy. She never told me that she was going to touch my private parts. She never told me when or where she was going to touch me. She did not inform me that a private screening was available. She did not inform me of my rights that were a part of these new enhanced patdown procedures.
(…)
I asked to speak to a supervisor immediately. I had a very unpleasant conversation with him that lasted 20 minutes. I moved to the back of the security area, made a few phone calls, including to my lawyer. He did some quick research, and learned that I had indeed been sexually assaulted because she did not follow the SOP (standard operating procedure) for the new search.

During our first conversation, the TSA acting manager of the shift told me that the TSA agent who sexually assaulted me was supposed to inform me about the new search procedure and tell me when and where she was going to touch me. He also apologized on behalf of himself and on behalf of the agent who sexually assaulted me. I was not allowed to speak to the agent who sexually assaulted me, nor did the acting manager provide me with her name. (I did not have the presence of mind to look at her nameplate, as I was in shock.)
(…)
I will not be a silent victim of sexual assault by a TSA agent. Total Sexual Assault.
E para descontrair, o quadrinho “Minha Primeira Revista Anal“.  Infelizmente, um oficial da TSA, o órgão que cuida da segurança aeroportuária nos EUA e responsável pelo ultraje descrito, estava vendo o quadrinho em serviço; talvez pegando algumas ideias para inspiração… E Chase não é a única vítima da TSA. Uma freira também tem sua genitália apalpada antes de embarcar.

Mas nem todo mundo se submete a isso. John Tyner conta como ele foi impedido de voar por ter se recusado a ser apalpado, digamos, lá na zona dos Países Baixos. Não apenas ele foi proibido de embarcar mas a TSA ainda ameaçou Tyner com uma execução judicial de uma multa de dez mil dólares por sair do aeroporto antes da apalpada sacana, quero dizer, inspeção de segurança. E o pior de tudo que a TSA iniciou o processo contra Tyner por se recusar a ter seu corpo molestado.

E como esta gentalha não se contenta com pouco, eles agora estão enfiado as mãos por dentro das calças dos passageiros.

E por fim, existia uma lorota dizendo que as imagens dos pornoscanners não são gravadas. Pois bem, elas são! Agentes do Serviço de Meirinhos dos Estados Unidos disseram em juízo que eles armazenaram aproxidamente 35 mil imagens de pessoas que passaram pelos “scanners de corpo inteiro”.


Também postado no Trezentos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…