Pular para o conteúdo principal

Enccla attacks... yet again!

O Advogado-Geral da União, Jose Antonio Toffoli (que conseguiu os cargos graças ao fato do mesmo ser um membro do PT desde 1995), está mancomunando com a Polícia Federal, TCU e outros da turma do Enccla (Encontro Nacional de Combate à Privacidade, ou, informalmente conhecido como Estratégia Nacional de Combate à Lavagem de Dinheiro e Recuperação de Ativos) um "parecer" para aumentar os já abusivos poderes de violação de privacidade que o desgoverno federal possui.

O "parecer" permitiria a qualquer burocrata de plantão acesse dados cadastrais em órgãos do governo e concessionárias de serviços públicos sem uma ordem judicial. O absurdo "parecer" chegaria ao ultrajante acesso direto a dados protegidos por sigilo fiscal. Isso mesmo, um procuradorzinho poderia devassar teu imposto de renda sem mandado judicial, basta apenas ele ter a vontade, seja por motivos legítimos, seja pelo fato do vibrador do "doutor" ter falhado na noite imediatamente anterior à devassa.

Apesar dos absurdos propostos por Toffoli, a frase mais medonha foi dita pelo Procurador-Geral da República, Antonio Fernando de Souza, que disse:

“A proteção que a Constituição confere à intimidade e ao sigilo não pode acobertar crimes. O cidadão de bem não precisa de sigilo.” (grifo meu)
Isso! O sr. Eu-Não-Sei-Quem-É-O-Maior-Beneficiário-do-Mensalão acaba de revogar o artigo 5º da Constituição federal. A sentença de Souza é tão fora-da-caixinha, tão ultrajante que mesmo a Receita Federal teve que fazer de conta que tem algum apreço à privacidade alheia ao dizer que "[t]eme o vazamento das informações."

Curiosamente, ninguém sabe até hoje o que essa tal de Enccla já trouxe de benefícios para o Brasil.

P.S.: Toffoli disse:
“A Enclla (sic) traz uma mudança de mentalidade, imprimindo ao combate à corrupção e à lavagem de dinheiro prioridade sobre disputas internas de vaidade e de poder. Não se trata de uma olimpíada ou campeonato, temos de trabalhar em solidariedade, pois o patrão de cada poder aqui presente é um só - o povo brasileiro”
Pois que vos digo: estais todos demitidos. Se é para vos pagar para tenhais idéias de jerico, eu, então, tenho melhores formas de gastar dinheiro sem violentar a privacidade alheia.

Comentários

Anônimo disse…
Nada comparado com a barbaridades propostas no seu blog, mas apenas um exemplo da total falta de consideração das instituições financeiras com os dados de seus clientes.

O Banco Real lançou uma promoção para seus cartões de crédito. A cada R$50 reais gastos, o correntista ganha um cupom que concorre a um sorteio mensal. Excelente, só que eles fornecem pelo website o seu total de cupons acumulados, sem qualquer autenticação do usuário. Basta o número do CPF do correntista.

Com a vulgarização completa do CPF, isto equivale a publicar para qualquer "interessado" o seu total mensal de gastos com o cartão de crédito.

Aqui está o website:

https://www.promocaoganhaganhaganha.com.br/
Rodrigo disse…
Este tipo de informação só deveria estar disponível no Real Internet Banking.

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

E continua a disCUssão® sobre o Cadastro Único, agora com o nome de Registro Civil Nacional

No post anterior, eu falei sobre a versão 3.0 do Cadastro Único, o CU, que atende pelo nome atual de Registro Civil Nacional. Uma das novidades da disCUssão® sobre o CU 3.0 é a oposição corporativista ao CU 3.0 propriamente dito e a quem deve ser confiado o nosso CU.
Uma das novas brigas que surgiram pelo CU 3.0 dos brasileiros é entre Dias Toffoli e Julio Lopes, o relator do PL 1775/2015. O PL, de autoria do desgoverno Dilma Rousseff, diz que o CU 3.0 dos brasileiros será administrado pela Justiça Eleitoral, pois essa coleta ilegalmente informações biométricas dos eleitores brasileiros. O Sr. Lopes, por sua vez, quer que a Receita Federal administre o CU 3.0. E, felizmente, o impasse está gerado. O Globoreporta: O debate sobre identidade única para o brasileiro gerou acirrada discussão entre autoridades dos três Poderes na última quinta, na comissão especial da Câmara que analisa o projeto do Executivo que cria o Registro Civil Nacional (RCN). O negócio foi um petardo atrás do outro…