Pular para o conteúdo principal

Consultas Integradas é violado novamente

Em 28 de dezembro de 2007, eu postei sobre o uso indevido do Sistema de Consultas Integradas. Para quem não conhece, o Consultas Integradas é uma ferramenta de acesso a banco de dados de identificação, antecedentes e justiça criminal no Rio Grande do Sul. Agora, o mesmo sistema volta às páginas dos jornais devido ao acesso indevido aos dados pessoais disponibilizados pelo Consultas Integradas.

Embora a notícia tenha saído em Zero Hora, o repórter, Daniel Scola, é da Rádio Gaucha. Scola reporta que  o sargento da Brigada Militar César Rodrigues foi preso por suspeita de extorsão. Agora, como ele conseguia dados para isso? Alguém disse Consultas Integradas? Alguém acertou!

Rodrigues não apenas teria acessado dados de suas alegadas vítimas mas como teria acessado de outras pessoas:
Na manhã desta segunda-feira, o promotor Amílcar Macedo, responsável pela investigação da ação do policial, informou que o servidor da Casa Militar também pesquisava informações sobre filhos de deputados estaduais e de uma desembargadora. Segundo Macedo, o sargento pesquisava fotos de crianças.


Entre janeiro de 2009 e agosto de 2010, o sargento acessou ao sistema de consultas integradas mais de 10 mil vezes. Entre as autoridades que tiveram dados pesquisados estão a governadora Yeda Crusius, o senador Sérgio Zambiasi, o candidato ao governo do Estado Tarso Genro, deputados estaduais e federais.

Além dos políticos, jornalistas também tiveram dados acessados pelo policial militar. Na lista divulgada pelo promotor estão Políbio Braga, Marco Aurélio Weissheimer, Maria Lúcia Streck e Rafael Colling. Os delegados Ranolfo Vieira Jr., Heliomar Franco e Flávio Conrado também foram pesquisados.
perfil no Twitter de Amílcar Macedo, o promotor responsável pelo caso, lista as seguintes pessoas:
Braga, Políbio (jornalista)

Braga, Vanessa
Cel. Bondan (Brigada Militar)
Busato, Luís Carlos (deputado federal)
Colling, Rafael (jornalista)
Crusius, Yeda (governadora)
Farias, Stela (deputada estadual)
Ferst, Lair
Genro, Tarso (ex-Ministro da Justiça)
Maj. Jacques, Jefferson (Brigada Militar)
Koutzii, Flávio (ex-deputado estadual)
Lara, Luis Augusto (deputado estadual)
Manfrói, Cláudio (vice-presidente do PTB/RS)
Cap. Mazzali, Ana (Brigada Militar)
Paiani, Adão (ex-ouvidor da SSP)
Cel. Quevedo (Casa Militar)
Reckziegel, Tania
Santos, Eliseu (ex-secretário municipal de POA)
Streck, Maria Luísa (jornalista)
Torrano, Telma
Zambiasi, Sérgio (senador)

Filhos menores de deputados estaduais
Chefes do Serviço de Inteligência do CPM e V Comar
Como se percebe, a lista é particularmente eclética. Demonstrando a anarquia que é o Consultas Integradas, o Secretário de Segurança Pública do RS, Edson Goularte, disse que o Consultas Integradas é usadas por 49 órgãos:
O acesso é feito por pessoas credenciadas, a pedido de diferentes chefias. O Detran usa, a prefeitura usa, a Polícia Civil... Enfim, tem várias entidades. São 49 organizações que estão dentro desse 'guarda-chuva' que tem autorização ao sistema
Tal como a Receita Federal, o Consultas Integradas é uma legítima casa-da-mãe-joana. O mais estranho foi esta fala:
Para ele [Sec. Goularte], o episódio envolvendo o sargento da BM caracteriza-se como uso indevido de informações por pessoa credenciada, e não violação de dados.
Qual a diferença dum para outro? Espero uma resposta, sr. Goularte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…