Pular para o conteúdo principal

Cuidado com as Azeredetes!

Sim, qualquer medida totalitária no mundo tem apoio legítimo de partes desinteressadas da sociedade em questão. No Brasil, temos a Azeredetes, pessoas(?) que defendem o projeto nazifascicomunista de controle da Internet proposto pelo "nobre" senador Eduardo Azeredo, amigo de Marcos Valério. Abaixo, uma pequena lista de Azeredetes que achei na Internet que Azeredo quer censurar:
  • Barros, Augusto Paes Para o Mr. Direito acredita que as opiniões contrárias ao substitutivo (os amantes da Internet livre) são "tortas". Como diz o ditado, "Deus escreve certo por linhas tortas."
  • Cima, Fernando Sr. Cima pede, no blog de Barros, para que se discuta o "tema de forma racional". Pois vamos discutir, racionalmente, o arquivamento dos PLs e o impeachment de Azeredo.
  • Rolim, Karina A professorinha não gostou do fato de Azeredo ser o vencedor do 1º Prêmio Stasi de Violação da Privacidade. Rolim acha que só ela leu o maravilhoso substitutivo de Azeredo. Neste caso, eu prefiro ser um inguinorante do que uma sócia do Crube dos Hamigos da Privassidade.
Caso tu conheças outras Azeredetes, poste o link dela nos comentários.

Comentários

Augusto disse…
Uau...talvez um pouco tarde, mas descobri que fui "linkado" aqui :-)

Bom, não sei se faço certo ao comentar seu post, pois já vi que você é um radical. É sempre difícil conversar com radicais, mas vamos ver no que dá.

Primeiro, alguns esclarecimentos. Eu sempre opinei sobre o mérito, e não sobre a pessoa do senador Azeredo. É uma prática comum da Eristica, desqualificar o interlocutor ao invés de atacar o argumento. Em nenhum momento endosso o senador como parlamentar, meu interesse é apenas pelo projeto sobre crimes "cibernéticos".

Sobre o projeto, houve uma série de mudanças até chegarem na versão aprovada, mas eu tive oportunidade de conversar com assessores do senador e eles estavam muito abertos a ouvir sugestões e críticas. Vi muita gente reclamando mas poucos efetivamente tentando participar do debate. Não sei se é seu caso.

O objetivo do projeto é possibilitar a punição de crimes cometidos pela Internet. Se você é contra isso é bom pararmos por aí. Também vale lembrar que a nossa Constituição prega a liberdade de expressão mas o anonimato é vedado. O projeto em questão é apenas mais regulamentação da constituição. Não gosta disso? Então reclame da Constituição.

O projeto também é muito claro quanto ao tipo de informação que deve ser coletada e como elas devem ser protegidas. Seu provedor não deverá registrar o que você fez online, apenas quando você usou determinado endereço administrado por eles. Logo, o impacto à privacidade é ainda menor do que o aquele causado pelas informações em poder das operadoras de telefonia.

É simples ser contra. Minha pergunta é, o que você propõe para podermos combater os crimes na Internet? Sejam opiniões difamatórias, racistas e discriminatórias até o simples estelionato, como você acha que devemos combatê-los?

Dito isso, concordo com Benjamin Franklin: "Those Who Sacrifice Liberty For Security Deserve Neither."

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…