Pular para o conteúdo principal

Cuidado com as Azeredetes!

Sim, qualquer medida totalitária no mundo tem apoio legítimo de partes desinteressadas da sociedade em questão. No Brasil, temos a Azeredetes, pessoas(?) que defendem o projeto nazifascicomunista de controle da Internet proposto pelo "nobre" senador Eduardo Azeredo, amigo de Marcos Valério. Abaixo, uma pequena lista de Azeredetes que achei na Internet que Azeredo quer censurar:
  • Barros, Augusto Paes Para o Mr. Direito acredita que as opiniões contrárias ao substitutivo (os amantes da Internet livre) são "tortas". Como diz o ditado, "Deus escreve certo por linhas tortas."
  • Cima, Fernando Sr. Cima pede, no blog de Barros, para que se discuta o "tema de forma racional". Pois vamos discutir, racionalmente, o arquivamento dos PLs e o impeachment de Azeredo.
  • Rolim, Karina A professorinha não gostou do fato de Azeredo ser o vencedor do 1º Prêmio Stasi de Violação da Privacidade. Rolim acha que só ela leu o maravilhoso substitutivo de Azeredo. Neste caso, eu prefiro ser um inguinorante do que uma sócia do Crube dos Hamigos da Privassidade.
Caso tu conheças outras Azeredetes, poste o link dela nos comentários.

Comentários

Augusto disse…
Uau...talvez um pouco tarde, mas descobri que fui "linkado" aqui :-)

Bom, não sei se faço certo ao comentar seu post, pois já vi que você é um radical. É sempre difícil conversar com radicais, mas vamos ver no que dá.

Primeiro, alguns esclarecimentos. Eu sempre opinei sobre o mérito, e não sobre a pessoa do senador Azeredo. É uma prática comum da Eristica, desqualificar o interlocutor ao invés de atacar o argumento. Em nenhum momento endosso o senador como parlamentar, meu interesse é apenas pelo projeto sobre crimes "cibernéticos".

Sobre o projeto, houve uma série de mudanças até chegarem na versão aprovada, mas eu tive oportunidade de conversar com assessores do senador e eles estavam muito abertos a ouvir sugestões e críticas. Vi muita gente reclamando mas poucos efetivamente tentando participar do debate. Não sei se é seu caso.

O objetivo do projeto é possibilitar a punição de crimes cometidos pela Internet. Se você é contra isso é bom pararmos por aí. Também vale lembrar que a nossa Constituição prega a liberdade de expressão mas o anonimato é vedado. O projeto em questão é apenas mais regulamentação da constituição. Não gosta disso? Então reclame da Constituição.

O projeto também é muito claro quanto ao tipo de informação que deve ser coletada e como elas devem ser protegidas. Seu provedor não deverá registrar o que você fez online, apenas quando você usou determinado endereço administrado por eles. Logo, o impacto à privacidade é ainda menor do que o aquele causado pelas informações em poder das operadoras de telefonia.

É simples ser contra. Minha pergunta é, o que você propõe para podermos combater os crimes na Internet? Sejam opiniões difamatórias, racistas e discriminatórias até o simples estelionato, como você acha que devemos combatê-los?

Dito isso, concordo com Benjamin Franklin: "Those Who Sacrifice Liberty For Security Deserve Neither."

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…