Pular para o conteúdo principal

Opa, o STF está violando a Constituição.

O Supremo Tribunal Federal (STF), que se diz encarregado de zelar os direitos individuais no Brasil, rasgou a Constituição federal de forma escandalosa. A Resolução 309 de 31/08/2005 obria que as pessoas que querem algum tipo de prestação jurisdicional do STF a consignarem seu CPF nas petições inicais. Só que tal medida já foi considerada ilegal pelo STJ em outras ocasiões:

  1. RMS 3568: PROCESSUAL - PETIÇÃO INICIAL - REQUISITOS CRIADOS MEDIANTE PORTARIA
    - SEM PREVISÃO EM LEI PROCESSUAL - EXIGENCIA DE REPROGRAFIA AUTENTICADA DO CPF DA PARTE - ILEGALIDADE - MANDADO DE SEGURANÇA.
    - A PORTARIA 253/92 DO JUIZ FEDERAL DIRETOR DO FORO DA SEÇÃO JUDICIARIA DO RIO DE JANEIRO, AO DETERMINAR SE RECUSEM PETIÇOES INICIAIS, QUANDO NÃO ACOMPANHADAS DE COPIA DO CPF DAS PARTES, INCIDE EM ILEGALIDADE.
    - NÃO E LICITO AO PODER JUDICIARIO ESTABELECER PARA AS PETIÇOES INICIAIS, REQUISITO NÃO PREVISTO EM LEI FEDERAL (CPC ART. 282).
  2. REsp 539219: (...)
    II - É vedada a exigência de requisitos não previstos em lei paraque a petição inicial seja conhecida. O Código de Processo Civilelenca, de forma taxativa, os pressupostos necessários para tanto.
    III - Atendidos os requisitos previstos na Lei Processual Civil, nãose admite a determinação de entrega de cópia autenticada de CPF parao conhecimento da causa, eis que não se impõe, por meio de lei, talobrigação à parte
    (...)
Quem sabe os nossos ministros do STF lessem um pouco a página da Receita Federal, considerando que eles sejam alfabetizados (o que é pouco provável). Olha quem é obrigado a ter CPF, de acordo com a Receita Federal:
  1. sujeitas à apresentação de declaração de rendimentos;
  2. inventariantes, cônjuges ou conviventes, sucessores a qualquer título ou representantes do de cujus que tenham a obrigação de apresentar a DIRPF em nome do espólio ou do contribuinte falecido;
  3. cujos rendimentos estejam sujeitos ao desconto do imposto na fonte, ou estejam obrigadas ao pagamento do imposto;
  4. profissionais liberais, assim entendidos aqueles que exerçam, sem vínculo de emprego, atividades que os sujeitem a registro perante órgão de fiscalização profissional (CREA, CRM, CRQ, CRC, etc.);
  5. locadoras de bens imóveis;
  6. os participantes de operações imobiliárias, inclusive a constituição de garantia real sobre imóvel;
  7. obrigadas a reter imposto na fonte;
  8. titulares de contas bancárias, de contas de poupança ou de aplicações financeiras;
  9. que operam em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas;
  10. inscritas como contribuinte individual ou requerentes de benefícios de qualquer espécie no Instituto Nacional do Seguro Social - INSS.
  11. residentes no exterior que possuam no Brasil bens ou direitos sujeitos à registro público, inclusive: imóveis, veículos, embarcações, aeronaves, participações societárias, contas-correntes-bancárias(entre elas as CC-5, usadas para fazer remessa para o exterior), aplicações no mercado financeiro e aplicações no mercado de capitais
Em nenhum momento a opção "protocolamento de ações judiciais" ou algo semelhante aparece. E o mais interessante é que o CPF nada mais é do que um ato do secretário de Receita Federal, Instrução Normativa 461, o que significa que o CPF pode deixar de existir por um simples desejo do secretário que estiver comandando a Receita Federal.
O que então poderia acontecer com o direito de acesso à Justiça caso se acabe (e quem dera) com o CPF?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…