Pular para o conteúdo principal

Eu poderia até jurar que privacidade era um direito humano...

Mas não é este o entendimento do Ministério Público do RS e de seus voluntariosos promotores sediados naquela bizarra cópia das Petronas Towers (aliás, por que diabos não fizeram uma torre única?). Para "combater" a violência no futebol no estado, os promotores empurram os já famosos TACs, conhecido também como chantagem promotorial, contra o Grêmio, o Internacional, o Caxias e o Juventude. Tais TACs são inócuas contra o crime e uma violação medonha da privacidade dos torcedores.

Em Porto Alegre, os nossos "atuantes" promotores querem que os estádios tenham sistemas de coleta de impressões digitais de todos os espectadores, como se pudesse prever a intenção de cada torcedor lendo sua impressão digital (quem sabe se coloque algumas cartomantes para ler a mão toda de uma vez dos torcedores), como também se leitores de impressões digitais fossem muito precisos em ambientes de uso de massa. Isso para dizer que não existe nenhuma lei que autorize o Ministério Público a requerer que entidades privadas coletem tais dados. E como de costume, nenhum traço do Termo, no melhor estilo secretivo chinês. Falando em China, duvido que os comunistas implantem esta totalitária idéia nas Olímpiadas de Pequim em 2008.

Já para os times de Caxias do Sul (Caxias e Juventude) a solução, como para que todos os problemas no Brasil, é a criação de mais um cadastro, que seria alimentado com os dados de torcedores regularmente inscritos nas torcidas organizadas. Não queria me repetir mas esquerdista é totalmente sem criatividade, desde quando um pedaço de papel garante a índole de uma pessoa? Já que estamos na temporada de caça ao direito à privacidade, por que não pedir uma amostra de DNA, uma foto do pênis do pai e da vagina da mãe do torcedor?

Citando este post:
Veleda, Rodrigo. "E eu podia jurar que privacidade era um direito humano." [Weblog Não Sou Um Número] 30 Sep 2006. (Data do seu acesso) <http://naosouumnumero.blogspot.com/2006/09/eu-poderia-at-jurar-que-privacidade.html>.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…