Pular para o conteúdo principal

Ich bin Internetpolizeibeamtin von Beruf

Na IstoÉ desta semana, temos uma entrevista com a advogada Patrícia Peck Pinheiro sobre Internet e coisas mais relacionadas. Dando uma procura com o nome dela, temos uma peculiar descrição do site dela:
O melhor site de Direito Digital com informação atualizada sobre segurança da informação, contratos de tecnologia, privacidade, e muito mais em nosso centro
...
I couldn't help commenting but you talking about privacy seems to be kind of akward, since you've a pro-registration policy for Internet users.

Agora vamos analisar a entrevista de Peck para a revista IstoÉ, e em itálico, os comentários pró-privacidade, pró-individualismo, pró-mercado deste blog:
A internet não é uma terra sem lei. Quem se relaciona virtualmente responde por seus atos com base na Constituição Federal e nos Códigos Civil e Penal.

Yeehaw! Supremacia brasileira ao combate, com o povo escolhido por Deus para ditar as regras do mundo. Ora eu não sabia que as toscas leis brasileiras se aplicam a todos independentemente de jurisdição.

Os jovens precisam ouvir de seus pais que não dá para escrever tudo o que pensam emblogs, e-mails ou comunidades virtuais porque responderão por suas idéias caso alguém se sinta ofendido por elas.
Para que censura se podemos ensinar autocensura para nossos filhos. Isso para não falar no perigoso problema dos pais ensinando as crianças, como sabemos que o ideal é que elas sejam criadas por alguma ONG.

Recentemente, tivemos um caso em que um hacker criou um e-mail em nome de uma outra pessoa para guardar informações de fraudes eletrônicas, como senhas de acesso a contas bancárias. O suposto dono do e-mail não sabia disso, mas foi o primeiro a ser investigado. Juridicamente, é um caso de difícil defesa porque a lei diz que a responsabilidade recai sobre o dono do equipamento até que se prove o contrário.
Mas então, onde estão os benditos cadastros, hein? Vamos pegar o nome da lista e meter com tudo nele!

Em São Paulo, há uma lei que obriga os cybercafés e as lan houses a exigirem identidade dos internautas. Menores de idade devem ainda dar o nome dos pais e da escola onde estudam.
Bancos de dados com informações pessoais de menores de idade, inclusive onde estudam. Quer um conselho, vai pra Cuba!!! Lá funciona assim.

A lei eleitoral prevê que os candidatos podem ser responsabilizados caso algum internauta publique conteúdo difamatório falando em nome desse candidato.
Vamos punir as pessoas por crimes que não cometeram
Bom senhora Peck, que tal eu e a senhora fazendo um debate sobre Internet? Seria demais!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…