Pular para o conteúdo principal

Ich bin Internetpolizeibeamtin von Beruf

Na IstoÉ desta semana, temos uma entrevista com a advogada Patrícia Peck Pinheiro sobre Internet e coisas mais relacionadas. Dando uma procura com o nome dela, temos uma peculiar descrição do site dela:
O melhor site de Direito Digital com informação atualizada sobre segurança da informação, contratos de tecnologia, privacidade, e muito mais em nosso centro
...
I couldn't help commenting but you talking about privacy seems to be kind of akward, since you've a pro-registration policy for Internet users.

Agora vamos analisar a entrevista de Peck para a revista IstoÉ, e em itálico, os comentários pró-privacidade, pró-individualismo, pró-mercado deste blog:
A internet não é uma terra sem lei. Quem se relaciona virtualmente responde por seus atos com base na Constituição Federal e nos Códigos Civil e Penal.

Yeehaw! Supremacia brasileira ao combate, com o povo escolhido por Deus para ditar as regras do mundo. Ora eu não sabia que as toscas leis brasileiras se aplicam a todos independentemente de jurisdição.

Os jovens precisam ouvir de seus pais que não dá para escrever tudo o que pensam emblogs, e-mails ou comunidades virtuais porque responderão por suas idéias caso alguém se sinta ofendido por elas.
Para que censura se podemos ensinar autocensura para nossos filhos. Isso para não falar no perigoso problema dos pais ensinando as crianças, como sabemos que o ideal é que elas sejam criadas por alguma ONG.

Recentemente, tivemos um caso em que um hacker criou um e-mail em nome de uma outra pessoa para guardar informações de fraudes eletrônicas, como senhas de acesso a contas bancárias. O suposto dono do e-mail não sabia disso, mas foi o primeiro a ser investigado. Juridicamente, é um caso de difícil defesa porque a lei diz que a responsabilidade recai sobre o dono do equipamento até que se prove o contrário.
Mas então, onde estão os benditos cadastros, hein? Vamos pegar o nome da lista e meter com tudo nele!

Em São Paulo, há uma lei que obriga os cybercafés e as lan houses a exigirem identidade dos internautas. Menores de idade devem ainda dar o nome dos pais e da escola onde estudam.
Bancos de dados com informações pessoais de menores de idade, inclusive onde estudam. Quer um conselho, vai pra Cuba!!! Lá funciona assim.

A lei eleitoral prevê que os candidatos podem ser responsabilizados caso algum internauta publique conteúdo difamatório falando em nome desse candidato.
Vamos punir as pessoas por crimes que não cometeram
Bom senhora Peck, que tal eu e a senhora fazendo um debate sobre Internet? Seria demais!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…