Pular para o conteúdo principal

Boa notícia para os gaúchos

Anteriormente eu bloguei sobre o programa de nota fiscal eletrônica no varejo, que se chamará nota fiscal de consumo eletrônica, e o perigo do fim do anonimato nas compras no varejo. Eis que leio uma notícia no Jornal do Comércio:
Projeto-piloto vai testar uso da NF-e no varejo em cinco estados


Clarisse de Freitas

Representantes dos estados de Amazonas, Sergipe, Mato Grosso e Maranhão assistiram ontem, em Porto Alegre, à apresentação da experiência gaúcha com o uso da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) nas vendas do varejo para o consumidor final e definiram a ampliação dos testes. A expectativa é que ainda na primeira quinzena de julho seja formado um grupo piloto, com dez empresas de diferentes segmentos, para testar a emissão da nota e as alternativas de contingência.
(...)
As soluções encontradas por essa experiência nacional, ressaltou o subsecretário [Ricardo Neves Pereira], serão observadas pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e darão base para a aplicação da nota eletrônica em todo o País. “Estamos cuidando para que o grupo piloto seja formado por empresas de diversos setores e estados para testar todas as situações. Estamos vendo como será a adaptação para que a compra à vista ou por estrangeiros possa seguir sendo feita de forma anônima, sem a apresentação do CPF ou CNPJ, que é uma das exigências feitas pelo modelo de NF-e usado na indústria”, concluiu.  (grifo meu)
É uma boa notícia, se for confirmada, pois Tarso Genro e seu governo não ficarão sabendo se tu compraste uma latinha de Pepsi Twist ou camisinha no Rio Grande do Sul. Só não entendi até o momento a razão da limitação ao anonimato só a compras à vista, mas enfim, é um progresso do que foi anteriormente dito no pedido de informação que fiz. De toda forma, Papai Smurf fez a sua parte ao replicar o tal pedido de informação como mostro abaixo:
Oi,

Existe o Projeto Piloto em forma impressa? Se sim, gostaria de receber uma cópia por e-mail. No que tange a privacidade, o que foi discutido? Houve alguma discussão sobre a possibilidade de compra no tal Projeto Piloto sem informar CPF, nome e endereço? Foi discutido o impacto às vendas feitas para pessoas que não estão no CPF como turistas ou mesmo pessoas que não possuem qualquer tipo de documentos ou endereço?


From: SERVICO DE INFORMACAO AO CIDADAO - RECEITA <sic.receita@sefaz.rs.gov.br>
To: "naosouumnumero@yahoo.com"
Sent: Wednesday, June 13, 2012 5:43 PM
Subject: ACESSO À INFORMAÇÃO - Nota Fiscal Eletrônica no Comércio (nº 171)

PREZADO CIDADÃO:
 Em resposta à sua solicitação, conforme detalhado abaixo, comunicamos o retorno a seguir:
 DEMANDA
Assunto
Nota Fiscal Eletrônica no Comércio
Número
000 000 171
Descrição
 Tenho alguns questionamentos sobre o programa citado no assunto e elenco-os abaixo: 
DEMANDANTE
Pessoa
Rodrigo Veleda
Telefone
E-mail
Endereço

 RESPOSTA
- Qual a fundamentação legal do programa?
Instrução Normativa DRP 45/98, Título I, Capítulo XI, Seção 20.5.
Acesse a Instrução Normativa DRP 45/098 no link ao lado: IN 45/98
- As empresas são obrigadas a participar?
Não. É por adesão ao Projeto Piloto.
- Qual o critério de escolha das empresas participantes?
Limitado a uma empresa em cada ramo de interesse do Projeto Piloto.
- Que tipo de informações do comprador são coletadas?
As exigidas para identificação do destinatário na emissão da NF-e (nome, CPF, endereço)
- É possível o comprador comprar sem se identificar?
Não.
- Por quanto tempo as informações são armazenadas?
Pelo prazo fixado na legislação tributária para a guarda de qualquer documentação fiscal.
 Algumas orientações importantes:
- Se a resposta não atender à sua solicitação, comunicamos que é possível solicitar o reexame da demanda dentro do prazo de 10 (dez) dias, a contar do recebimento dessa mensagem eletrônica.
- O recurso para reexame da demanda deverá ser feito, pelo próprio cidadão, em resposta a esta mensagem eletrônica, fundamentando as razões pelo não atendimento da solicitação, incluindo o esclarecimento daquilo que poderia ser respondido.
OU
- Para solicitar o reexame, responda esta mensagem eletrônica, citando clara e objetivamente quais itens da resposta não atendem satisfatoriamente sua solicitação.
- Após o recebimento do recurso para reexame, a autoridade máxima do órgão terá um prazo de 10 (dez) dias para reexaminar e responder. A resposta será enviada também por meio deste e-mail.
 Atenciosamente,
                  Descrição: Descrição: cid:image001.gif@01C99E8E.CAD1C6E0
                Secretaria da Fazenda RS
Vamos continuar na luta pelo anonimato das nossas compras!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

E continua a disCUssão® sobre o Cadastro Único, agora com o nome de Registro Civil Nacional

No post anterior, eu falei sobre a versão 3.0 do Cadastro Único, o CU, que atende pelo nome atual de Registro Civil Nacional. Uma das novidades da disCUssão® sobre o CU 3.0 é a oposição corporativista ao CU 3.0 propriamente dito e a quem deve ser confiado o nosso CU.
Uma das novas brigas que surgiram pelo CU 3.0 dos brasileiros é entre Dias Toffoli e Julio Lopes, o relator do PL 1775/2015. O PL, de autoria do desgoverno Dilma Rousseff, diz que o CU 3.0 dos brasileiros será administrado pela Justiça Eleitoral, pois essa coleta ilegalmente informações biométricas dos eleitores brasileiros. O Sr. Lopes, por sua vez, quer que a Receita Federal administre o CU 3.0. E, felizmente, o impasse está gerado. O Globoreporta: O debate sobre identidade única para o brasileiro gerou acirrada discussão entre autoridades dos três Poderes na última quinta, na comissão especial da Câmara que analisa o projeto do Executivo que cria o Registro Civil Nacional (RCN). O negócio foi um petardo atrás do outro…