Pular para o conteúdo principal

Projetos de lei de controle da Internet na Câmara

Aqui está uma pesquisa abrangente dos projetos de lei na Câmara dos Deputados que pretendem restringir o acesso livre à Internet no Brasil. Os projetos estão separados por ano.
2009
  1. PL 5298/2009 de Jefferson Alves de CAMPOS (PTB-SP) Dispõe sobre a identificação dos usuários dos serviços de correio eletrônico.
  2. PL 5185/2009 de Fábio Salustiano Mesquita de FARIA (PMN-RN) Estabelece a obrigatoriedade de cadastramento e de identificação eletrônica para fins de acesso à rede mundial de computadores, e de manutenção dos dados informáticos pelo período de 2 (dois) anos para fins de investigação criminal ou instrução de processo processual penal.
2008
  1. PL 4424/2008 de Nelson Goetten de LIMA (PR-SC) Dispõe sobre o Estatuto da Internet no Brasil.
  2. PL 3446/2008 de Bernado Ramos ARISTON (PMDB-RJ): Modifica a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que "dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências", obrigando os locais que ofereçam acesso à Internet a cadastrar os usuários do serviço.
2007

  1. PL 169/2007 de Raquel Figueiredo Alessandri TEIXEIRA (PSDB-GO): Dispõe sobre o envio de mensagem não solicitada por meio de redes de computadores destinadas ao uso do público.
2006

  1. PL 6731/2006 de Arnaldo Faria de SÁ (PTB-SP): Dispõe sobre os estabelecimentos comerciais, Lan Houses, instalados em todo território nacional que ofertam locação de computadores para acesso à Rede Mundial de Computadores - INTERNET.
2005

  1. PL 6024/2005 de Antonio Carlos de Mendes THAME (PSDB-SP): Dispõe sobre crimes informáticos, alterando o Código Penal e regulando a disponibilidade dos arquivos dos provedores.
  2. PL 5009/2005 de Júlio César Gomes dos SANTOS (PMDB-MG): Obriga as empresas de locação de terminais de computadores a manter cadastro de seus usuários e dá outras providências.
2004

  1. PL 4361/2004 de Jaildo Vieira REIS (PMDB-RJ): Modifica a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que "dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente", estabelecendo limites ao funcionamento de casas de jogos de computadores.
  2. PL 4144/2004 de Marcos Roberto ABRAMO (DEM-SP): Altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, a Lei nº 9.296, de 24 de julho de 1996, e o Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940, e dá outras providências.
  3. PL 3301/2004 de Marcos Roberto ABRAMO (DEM-SP): Dispõe sobre normas de acesso à Internet.
2003

  1. PL 2842/2003 de Hidekazu TAKAYAMA (PSC-PR): Modifica a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, regulando o acesso de crianças e adolescentes a provedores de informações na Internet.
  2. PL 1256/2003 de Hidekazu TAKAYAMA (PSC-PR): Estabelece obrigatoriedade aos provedores da rede internet que operam no Brasil, a identificação para participantes com acesso a salas de encontros virtuais de conteúdo sexual e restringe a veiculação e troca de imagens de conteúdo sexual.
  3. PL 480/2003 de Darci Pompeo de MATTOS (PDT-RS): Dispõe sobre o cadastramento dos usuários de serviços de Internet e disponibilização de dados à autoridade policial e dá outras providências.
  4. PL 18/2003 de Iara BERNARDI (PT-SP): Veda o anonimato dos responsáveis por páginas na Internet e endereços eletrônicos registrados no País.
2002

  1. PL 7461/2002 de Eni José VOLTOLINI (PP-SC): Dispõe sobre a obrigatoriedade dos provedores de acesso a Internet manterem cadastro de usuários e registro de transações.
  2. PL 6557/2002 de Valdemar COSTA Neto (PR-SP): Estabelece obrigatoriedade de identificação para participantes com acesso a salas de encontros virtuais e troca de imagens na Rede Mundial de Computadores, Internet.
2001

  1. PL 5403/2001 de Luiz Estevão de OLIVEIRA Neto (PMDB-DF): Dispõe sobre o acesso a informações da Internet, e dá outras providências.
  2. PL 4972/2001 de José Carlos Pires COUTINHO (DEM-RJ): Dispõe sobre o acesso à informação da internet, e dá outras providências.
2000

  1. PL 3891/2000 de Julio Francisco SEMEGHINI Neto (PSDB-SP): Dispõe sobre o registro de usuários pelos provedores de serviços de acesso a redes de computadores, inclusive à Internet.
  2. PL 3303/2000 de Antonio da Justa FEIJÃO (PST-AP): Dispõe sobre normas de operação e uso da Internet no Brasil.
  3. PL 3016/2000 de Antonio Carlos PANNUNZIO (PSDB-SP): Dispõe sobre o registro de transações de acesso a redes de computadores destinados ao uso público, inclusive a Internet.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…