Ministério da Justiça recusa-se a responder perguntar sobre o Registro de Identidade Civil

No quarto dia de abril deste ano, às 23h01, eu mandei um e-mail para ric@mj.gov.br (como sugere a página de dúvidas da dita iniciativa) com as seguintes perguntas:
  1. Qual é a competência do Congresso Nacional em legislar sobre tal assunto já que tradicionalmente a identificação de seres humanos no Brasil sempre foi de competência estadual?
  2. Qual foram os critérios utilizados para a elaboração das estimativas de custo? Quanto custaria a manutenção anual do sistema e a identificação de todos os brasileiros de acordo com os ditames do RIC?
  3. Quantas pessoas já estão no RIC?
  4. Se uma pessoa for convocada a se registrar no RIC e se recusar o que acontece?
  5. Que tipo de estudos foram utilizados para a análise de falsos-negativos e falsos-positivos por identificação por impressão digital?
  6. Existe algum registro semelhante de tamanha abrangência no mundo?
  7. Como está a questão do tratamento de dados de pessoas que possuem passaportes e/ou títulos eleitorais biométricos? Uma pessoa pode negar consentimento de transferência de dados destes bancos de dados para o RIC?
  8. Como o RIC interagiria com o anteprojeto de lei de dados pessoais proposto pelo Ministério da Justiça?
  9. Quantas audiências públicas, e eventos do gênero, sobre o RIC foram realizados? Se sim, quem debatia contrariamente? Quais os resultados destes eventos?
Até o presente momento, quatro meses, uma semana e seis dias (135 dias) eu não obtive resposta. Muito provavelmente, eu devo ter sido a única pessoa no Brasil a ter coragem de ter feito tais perguntas. Se alguém tiver dicas de como eu posso ter estas questões respondidas pelo Ministério da Justiça, eu fico muito grato.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Digitais falsas

E continua a disCUssão® sobre o Cadastro Único, agora com o nome de Registro Civil Nacional