Pular para o conteúdo principal

Identifica alguma célula neuronal em teu cérebro!

O deputado Valtenir Pereira (PSB-MT) acha que sabe alguma coisa de sistemas de saúde, algo que passa tão longe do currículo dele como seu amor à privacidade; ele também dá palpites sobre a privatização da Vale com um rigor científico típico de uma taróloga. Então ele propõe o PL 2634/2007, cuja ementa é a seguinte:

Dispõe sobre a implantação do Sistema Nacional de Cadastro da Saúde a ser utilizado no armazenamento e gerenciamento, on line dos registros clínicos dos pacientes.
Pelo jeito, o nosso "amigo" e ex-petista Pereira não conhece a luta da Associação Médica Britânica (BMA - British Medical Association) para impedir que todos os dados médicos dos britânicos sejam compilados num único banco de dados que custa estratosféricos £ 12 bi ( R$ 41,43 bi).

O artigo 2º do PL diz:
Art. 2º O Poder Público instituirá cadastro eletrônico de identificação unívoca do cidadão e de informação sobre o atendimento individual prestado pelos serviços de saúde, públicos e privados.
Parágrafo único. O cadastro de que trata este artigo tem como objetivo vincular o atendimento prestado ao usuário, ao profissional que o realizou e ao estabelecimento assistencial de saúde responsável pela sua realização, assim como possibilitar a recuperação, a qualquer momento e nos termos desta Lei, do prontuário ou registros clínicos do paciente.
Sim, o objetivo da lei é criar um mega-banco de dados com a movimentação de saúde de toda e qualquer pessoa no Brasil e, claro, que o tal cadastrão da saúde será gerido pelo Poder Público. E como se sabe, o Poder Público é um mau gestor de dados médicos. Aliás, o projeto é tão medonho que nem punição ele prescreve para o caso em que operadores da saúde resolverem proteger a privacidade alheia. Outra coisa que o projeto não prevê é o custo de operacionalização e de manutenção do mesmo. Pereira nem tem problema em colocar esta declaração na justificativa do PL:
No entanto, entendemos que esse cadastro constitui um imenso risco para o
cidadão caso seja utilizado ou simplesmente acessado, de maneira fraudulenta ou
com fins ilícitos.
É, o sr. Pereira tem total ciência dos riscos de tal projeto, ou como ele diz, "um imenso risco para o cidadão". Agora fica uma pergunta: por quê diabos colocar a intimidade médica no Brasil sob "um imenso risco"?

P.S.: Este não é o primeiro ataque de Pereira à privacidade. Em 2006, enquanto vereador em Cuiabá, ele protocolou o PL 26/2006, cuja ementa era:
DISPÕE SOBRE O USO OBRIGATÓRIO DE TECNOLOGIA DE FILTRAGEM NOS COMPUTADORES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…