Pular para o conteúdo principal

Não é à toa que voto Turra governador

Perversão da liberdade individual
Francisco Turra

Observo com otimismo os avanços da biogenética e mantenho-me defensor irrestrito da livre pesquisa científica. O problema não é a conquista do conhecimento, e sim como pode vir a ser utilizado. A tecnologia nuclear, por exemplo, pode tanto gerar energia e a cura do câncer, como a bomba atômica. São essas as questões passíveis de regulamentação.

Minha apreensão a respeito da ética científica não está nos temas mais em moda nos debates, como a biogenética. Constato que o mau uso do avanço das tecnologias de comunicação causa danos às liberdades individuais.

Há pouco tempo, uma mera medida administrativa permitiu que o Banco Central e a Receita Federal facilmente rompessem o sigilo bancário dos cidadãos através do acesso facilitado às movimentações financeiras. É claro que a motivação deste poder de interferência foi justificada pela facilitação na identificação de eventuais contraventores. Mas, aberto o caminho, quem pode garantir que no futuro (ou presente) esse acesso estatal não servirá para simplesmente exercer controle sobre os aspectos mais particulares da vida das pessoas?

É por isso que fico preocupado com mais um passo que o governo dá para cercar de controles a vida do cidadão. A partir de janeiro, ficará disponível o instrumento da assinatura digital, pela qual se poderá realizar transações legais pela Internet, sob o controle do poder executivo. Evidentemente, se isso for apenas opção de preferência individual, não vejo problemas. Porém, quem não se lembra de que há pouco tempo a entrega opcional do imposto de renda tornou-se obrigatória em meio eletrônico?

Em resumo, a vida de cada um de nós está cada vez mais suscetível ao controle das autoridades, como se fôssemos culpados até prova em contrário, numa clara perversão do conceito da liberdade individual. Insisto para que a sociedade – especialmente as pessoas que prezam a real democracia – realize uma profunda reflexão a respeito.

Defendo a criação de marcos regulatórios que impeçam o uso indiscriminado da informação digital dos indivíduos, quem quer que seja. Estarei propondo a criação de uma Comissão Permanente no Congresso, cuja primeira missão será sistematizar a ética do uso da informática por parte do Estado – garantindo, acima de tudo, o direito individual da liberdade. Uma matéria importante ao ponto de ser incluída na Constituição. Enfim, quem preza a democracia e a sua própria liberdade deve começar a se preocupar ativamente com a questão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…