Pular para o conteúdo principal

Deputado gaúcho quer acabar com o direito de pacientes de escolher quem acessa seus dados

O deputado estadual Vinícius Ribeiro (PDT) apresentou o PL 112/2013, que "[o]briga os planos de saúde público e privados a manterem e compartilharem entre si e com o Sistema Único de Saúde banco de dados de informações médicas de seus pacientes." Diz o PL:
Art. 1º Os planos de saúde públicos e privados operantes no Estado do Rio Grande do Sul devem manter banco de dados de informações médicas dos seus clientes e respectivos dependentes.
§ 1º Devem constar no banco de dados, especificamente, as seguintes informações:
I – Histórico de alergias a medicamentos, especialmente os anestésicos;
II – Histórico de procedimentos cirúrgicos, transplantes, implantes, próteses e outras informações sobre procedimentos invasivos;
III – Histórico de distúrbios cardíacos, respiratórios e gástricos;
IV – Tipo sanguíneo;
V – Exames médicos; e
VI - Histórico de reações alérgicas;
(...)
Art. 2º Os bancos de dados serão compartilhados entre todos os planos de saúde e com os gestores locais e/ou regionais do Sistema Único de Saúde, através da rede mundial de computadores, através de sítio próprio, para serem usados exclusivamente nas emergências médicas clínicas ou hospitalares.
Todo teu histórico médico deve estar a disposição na Internet para todos aqueles que trabalham com saúde e, também, aqueles que souberem aproveitar as vulnerabilidades do "sítio próprio". Questões que não foram abordadas pelo Sr. Ribeiro:
  • A quem pertence tais dados médicos? Ao paciente, aos operadores da saúde ou ao Sr. Ribeiro?
  • Existe a possibilidade da pessoa recusar a inserção ou compartilhamento de dados?
  • Quais dados científicos foram usados para corroborar tamanha violação de privacidade?
  • Qual a punição para abuso da lei ou recusa por parte de uma pessoa em compartilhar seus dados?
E a justificativa do projeto é um primor de paternalismo:
O presente projeto de lei obriga os planos de saúde público e privados a manterem e
compartilharem entre si e com o Sistema Único de Saúde um banco de dados de informações médicas e de seus pacientes.

Esse projeto tem como objetivo melhorar a qualidade de informações sobre os pacientes, a qual tem consequências imediatas sobre a assistência médica prestada, principalmente a assistência de urgência, pois nesse momento qualquer erro ou dúvida sobre o atendimento ao paciente pode se tornar fatal.

Com a aplicação desta ferramenta o médico não terá de se preocupar com o histórico do paciente – se este guardou todos os exames, se os trará no dia da consulta -, pois com o acesso as informações do passado de seus pacientes terá maior segurança no diagnóstico e no procedimento, os tornando mais eficazes.

Há também a questão de reações alérgicas, pois em uma emergência onde a pessoa não pode se manifestar sobre seu histórico alérgico, qualquer atitude errônea poderá acarretar em dano irreversível, até mesmo a morte.

Tendo em vista, a melhora ao atendimento aos cidadãos, a agilidade em demandas de emergência, a economia em procedimentos desnecessários é que apresento o respectivo Projeto de Lei para apreciação desta Casa.
Já no 1º parágrafo vemos que o projeto de lei está pouco se lixando para as vontades das pessoas em terem seus dados médicos compartilhados ou não. Segundo, eu acredito que a medicina está razoavelmente avançada a ponto de presumir que numa situação de emergência há menos acesso às informações do paciente. Seria interessante citar algum dado científico que mostre que pessoas estão morrendo unicamente por falta de acesso a um histórico médico.

Continuando, o projeto vai para um paternalismo descarado. O paciente esqueceu dos exames? Isto é com o paciente e o médico.

Comentários

Anônimo disse…
http://www.parana-online.com.br/editoria/cidades/news/667408/?noticia=TAXIS+PODEM+GANHAR+CAMERAS+DE+SEGURANCA

http://g1.globo.com/pr/parana/noticia/2013/05/taxis-de-curitiba-devem-ter-cameras-e-ar-condicionado-diz-projeto-de-lei.html
Anônimo disse…
http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2013/05/google-quer-usar-tatuagem-e-pilulas-especiais-para-aposentar-senhas.html

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…