Pular para o conteúdo principal

Aprende a fazer uma reportagem!

Ontem, o Jornal Hoje da TV Globo mostrou uma reportagem intitulada "Câmeras de vigilância ajudam a polícia reduzir a violência". O título da reportagem induz o leitor a pensar que as câmeras de vigilância previnem o acontecimento de crimes mas o primeiro exemplo citado desmente a tese furada das camerazetes:

Era um dia movimentado em um posto de combustíveis de Guarulhos, na Grande São Paulo, até um carro vermelho parar perto das bombas.

Um homem desceu armado e foi pra cima do segurança, que acabou sendo morto com cinco tiros. A imagem captada pelas câmeras de segurança é a única pista que a polícia tem sobre o assassino.
Ou seja, o fato de ter câmeras de vigilância no posto de combustíveis não impediu o homícidio do segurança, não cumprindo sua função de "reduzir a violência" a não ser, claro, que redução de violência seja exibição de morte em rede nacional de televisão. Depois, a reportagem cita o caso de Praia Grande, SP:
Praia Grande, no litoral é a cidade paulista mais vigiada. São 1.200 câmeras instaladas nas ruas, na orla e em prédios públicos.

E foram elas que alertaram a guarda municipal e a polícia para a depredação de escolas, para o vandalismo e para atitudes estranhas, como o furto de cocos das árvores que enfeitam a praia.

“Temos os monitores que ficam 24 horas ligados aos vídeos, havendo qualquer suspeita é chamado imediatamente ou viatura da PM ou da polícia civil”, comenta José Américo Peixoto, subsecretário de segurança Praia Grande.

De 2007 para 2008 o número de furtos diminuiu 26%. Os roubos, 24,5%. E o roubo de veículos quase 20%.
A reportagem não cita o fato da taxa de furtos e roubos não ter diminuído e ser consideravelmente maior do que as taxas do período anterior a instalação das câmeras de vigilância. Como já citei anteriormente:
A medida, no entanto, não é visível nos números da violência da cidade divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo. A prática na cidade de furtos e roubos —tradicionalmente as mais coibidas pelo monitoramento por câmeras— não diminuiu e foram consecutivamente aiores nos últimos cinco anos do que em 2002, último ano antes da implantação da medida. No ano passado [2007], a taxa de roubos foi a maior desde 1999: 388 por 100 mil habitantes. (grifo meu)
Logo após, cita-se São Leopoldo:
São Leopoldo, uma das cidades mais violentas do Rio Grande do Sul baixou a criminalidade com a vigilância eletrônica em quase 80%, em alguns casos.
Nada como uma declaração impossível de ser provada. Que crimes seriam esses? Qual o espaço de tempo da dita queda? Como era antes das câmeras serem instaladas? E como plus, o site da Secretaria de Segurança Pública do RS só tem estatísticas completas entre 2000 e 2006.

Preocupação com a privacidade das pessoas, como as imagens são tratadas e comparação de estatísticas pré- e pós-instalação das câmeras inexiste na reportagem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…