Pular para o conteúdo principal

Puggina e o telemarketing

Percival Puggina, um ótimo analista social e o escritor do excelente Cuba: a tragédia da utopia, escreve um interessante artigo sobre o telemarketing.
Alô, é do Congresso Nacional?

Sim? Desculpe, mas não lhes quero vender coisa alguma. Só desejo que alguém, aí, apresente um projeto de lei que restitua aos proprietários de celulares e de linhas de telefonia fixa o direito de não serem perturbados por esse verdadeiro flagelo em que se converteu o telemarketing. E, por favor, desobstruam a pauta para aprovar isso em urgência. É para benefício da população brasileira, certo? Muito obrigado, moço.

Volto ao assunto porque a coisa está piorando. Quando começou, a gente recebia uma ligação dessas por mês, normalmente da empresa de telefonia que nos prestava serviços. Depois passou a uma por semana, a duas por dia, e agora, de cada três chamadas que se recebe, uma é de alguém invadindo nossos ouvidos para vender algo ou pretendendo nos convencer de que proporciona um serviço superior àquele de que dispomos.

A coisa rola deste jeito. O telefone toca. Como de hábito, estou trabalhando e o meu trabalho é escrever. Escrever exige concentração. Trriiimmm! Interrompo o que estou fazendo, as idéias saem pela janela do gabinete e se esparramam no pátio como folhas de papel. Uma voz começa o diálogo: “Alô! Com quem falo?” Conto até dez, vendo as idéias se dispersarem, levadas pelo vendaval da indignação. Respondo: “Por enquanto quem fala é você, moça. Eu só estou ouvindo”. Ela digere a frase e insiste: “Meu nome é Cristina, e estou falando em nome da empresa tal”. Houve um tempo em que eu escutava a Cristina. E ela me debulhava meia dúzia de planos de telefonia, cada qual com três ou quatro valores numéricos (como se fosse possível processar tudo aquilo assim, de estalo), enquanto me interrogava sobre os hábitos da minha comunicação. Arre!

Agora não é mais assim. Cansaram-me. Encerro a conversa rapidamente alegando decisão de diretoria no sentido de não atender esse tipo de ligação. Mesmo assim, ainda que não se aceite conversar, a tortura se multiplica através de uma infinidade de agentes: as campeoníssimas empresas de telefonia, bancos e seus cartões de crédito, desconhecidas entidades filantrópicas dedicadas a nobres causas. E a mais recente ameaça: redes de lojas. Se elas entrarem nessa vou virar ianomâmi e me mudar para a Amazônia. Comunicação só por tambor e sinal de fumaça.

Outro dia, eu estava sozinho em casa. Triiiimmm! Atendi e lá se foram as idéias para o pátio. “Alô!” Era alguém querendo falar com minha filha. Informei que ela não estava. “Muito bem, ligarei mais tarde”. Tento me concentrar novamente e o telefone volta a soar. Acredite, leitor: era o mesmo rapaz e idêntica consulta. Resolvi estrilar: “Mas você acabou de ligar e eu disse que ela não estava! Qual é a sua urgência?” Sabe o leitor qual era a urgência? Ele queria oferecer um computador de mesa que estava em oferta na loja tal com um espetacular desconto de 10%. Isso mesmo. Pode?

Eles acham que pode. Eu acho que não pode. Assim como acho que não pode acontecer o que o Cândido Norberto contou há alguns dias. Ligaram-lhe para oferecer uma pechincha: um excelente velório com cremação e tudo. Portanto, senhores congressistas, ainda que suas telefonistas e secretários interceptem tais ligações, saibam que dezenas de milhões de brasileiros estão sendo vítimas desse suplício e desse desrespeito à sua privacidade. Façam alguma coisa!
Isso não aconteceria se as pessoas tivessem o direito de permitir ou não a divugalção pública de seus telefones.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…