Pular para o conteúdo principal

Mr. Confisca Poupanças e a privacidade

Fernando Collor (PTB-AL), também conhecido como Mr. Confisca Poupanças, deu parecer favorável ao imbecil PLS 322/2004 de Sérgio Zambiasi (PTB-RS), exigindo identificação prévia de todas as pessoas que apostam nas lotéricas da Caixa. Como de costume, estabelecimentos legítimos como cassinos e rinhas de galo estarão de fora do controle estatal.

Razões para considerar o PLS imbecil:
  1. CPF não serve para identificação de apostas: Assim como Mr. Confisca Poupanças não leu a parte da Constituição que versa sobre propriedade privada (e nenhum livro sério de economia e controle de inflação), Collor também não leu a Instrução Normativa 461 que dispõe sobre o uso do CPF. E no campo de pessoas obrigadas a tê-lo não está apostas em loterias.
  2. O custo da identificação é solenemente negligenciado: Como qualquer coisa neste mundo, a quebra da privacidade dos apostadores tem um custo, e elevado. Como o PLS é muito subjetivo quanto o que seria a "identificação por CPF", podemos vislumbrar desde volantes com campos de CPF até mesmo a retenção de cópias do cartão do CPF. Considerando a hipótese light, de preencher o CPF sem aprensentar prova do mesmo para leitura óptica, teremos que alterar todos os volantes, com aumento no uso de papel e tinta, teremos que atualizar o software de todos os computadores e ainda teremos o custo de armazenagem destes dados.
  3. O PLS aumentará a probabilidade de fraudes: O cenário mais provável de fraude lotérica é o funcionário da Caixa como intermediário entre o lavador de dinheiro e o ganhador da aposta. Para que isso funcione, o apostador precisa ser atendido pelo funcionário macomunado com a bandidagem; caso, o apostador vá com um funcionário honesto, o ciclo não se completa e perde-se a oportunidade do crime. Com o cadastramento, qualquer funcionário malicioso poderá saber de antemão quem ganhou a aposta e proceder com a intermediação entre o bandido e o apostador sem mesmo precisar passar por uma agência da Caixa.
  4. O cadastro apresenta sérios riscos: Assim como se pode facilmente comprar CDs e DVDs com declarações de imposto de renda no submundo brasileiro, não seria de admirar ver disponível no mercado negro relações de apostadores com o nome, CPF, tipo de loteria, lotérica e até mesmo os números que ele joga. Tal vazamento poderá levar a julgamentos errôneos sobre a capacidade de determinadas pessoas a manter uma vida de apostas sem se tornar num viciado.
  5. Mesmo o cadastro não impede lavagem de dinheiro com bilhetes premiados: A falta de privacidade que é típica do sistema financeiro brasileiro não impede, nunca impediu e nunca impedirá a lavagem de dinheiro e outros ilícitos. Nada impedirá que um apostador venha a utilizar a bolada da loteria para lavar o dinheiro do bandido. Por exemplo, o apostador sortudo poderia "pedir um empréstimo" ao salafrário e utilizar o dinheiro da aposta para "pagar o empréstimo", enquanto que o salafrário transfira, de maneira discreta e sem alertar as autoridades, o dinheiro sujo, que seria contabilizado como o próprio dinheiro da lavagem. Isso para não falar em outras modalidades, como operações em paraísos fiscais und so weiter.

Comentários

E aí, Rodrigo, tudo bem? Eu postei um texto lá no site MidiaIndependente sobre censura na Intenet e então fui ver os comentários, daí percebi a indicação do seu blog - nao sei se foi você que colocou o link lá. Bem, mas enfim, achei muito bacana o seu blog e gostaria de poder colocar um link seu lá no meu blog. Topas? Abraço aí conterrâneo!!!

Bruno.

http://brunomedina.blogpost.com

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…