Pular para o conteúdo principal

Hong Kong quer documentos de identidade com RFID

O governo de Hong Kong submeteu ao Conselho Legislativo um estudo sobre a nova geração de documentos de identidade daquela região administrativa especial chinesa; o atual documento de identidade é obrigatório para todos os residentes de Hong Kong acima de 11 anos e possui um chip que tem os dados impressos no cartão de identidade, uma foto do portador e suas impressões digitais dos dedões, informações de caráter migratório e número de certificado digital. O estudo traz a seguinte inovação:
(d) Upgrading chip technology. The chip on card will be enhanced with latest technologies enabling better security and faster data retrieval by introducing an additional interface supporting the use of wireless technology. The new chip will have a higher storage capacity than the current smart HKIC one, allowing storage of a higher resolution photo image (to support facial recognition technology and provide a platform for alternative biometric authentication on top of fingerprint verification) and updated fingerprint templates for more secure and accurate identity verification.

(d) Atualizando a tecnologia do chip: O chip no cartão será melhorado com as mais modernas tecnologias, permitindo uma melhor segurança e coleta mais rápida de dados pela introdução duma interface adicional que suporta o uso de tecnologia sem fio. O novo chip terá capacidade de armazenamento maior do que o atual HKIC inteligente, permitindo o armazenamento de uma foto com maior resolução (para suportar tecnologia de reconhecimento facial e para prover uma plataforma de autenticação biométrica além da verificação de impressões digitais) e imagens atualizadas de impressões digitais para uma verificação mais segura e exata de identidade. (minha tradução)
Evidentemente que o governo de Hong Kong "assegura" a proteção aos dados que seriam coletados no CU radiante de Hong Kong, lembrando que CU Radiante de HK custaria HK$ 3.123.300.000 (R$ 1.080.687.723,39) ou algo como HK$ 431,71 (R$ 149,37) per capita. De acordo com o artigo da página em inglês do Hong Kong Economic Journal (um jornal com histórico de independência mas que ultimamente tem sofrido pressões de Pequim):
The enormous capability of the Hong Kong ID card as an instrument of social control has been clearly demonstrated in the 79-day Occupy protests. During the final day of the campaign, police officers did not arrest many of the pro-democracy activists in the protest sites but simply took down their HKID numbers. Armed with those HKID numbers, police can easily find out their address and take action to arrest them if the circumstance warrants. 
An upgraded HKID card will vastly improve the ability of authorities to track down pro-democracy activists and take action on them.
A enorme capacidade do cartão de identidade de Hong Kong de ser um instrumento de controle social foi claramente demonstrada no protestos de 79 dias do Occupy. Durante o último dia da campanha, policiais não prenderam muitos ativistas pró-democracia nos locais de protestos, eles simplesmente anotaram os seus números do HKID. De posse destes números de HKID, a polícia pode facilmente achar seus endereços e tomar medidas para prendê-los se as circunstâncias pedirem.
Um cartão HKID atualizado aumentará vastamente a habilidade das autoridades em rastrear os ativistas pró-democracia e tomar medidas sobre eles. (minha tradução)
Aliás, a Polícia de Hong Kong já tem como praxe registrar os números dos cartões de identidade daqueles que fazem protestos nas ruas hongueconguenses. Por sua vez, dois legisladores do Conselho Legislativo, Charles Mok (que representa a indústria de TI) e Dennis Kwok (que representa a advocacia) criticaram tal ideia. Mok chegou a dizer que a proposta do governo foi "relaxadamente redigida". Apesar do discurso à Helen Lovejoy não ser usado, o discurso da "eficiência" no serviço público é citado, como reporta o South China Morning Post:
The government says the new smart ID card will allow people to use automated e-channel immigration services four seconds quicker - down from the current 12 seconds today.
O governo diz que o novo cartão de identidade inteligente permitirá as pessoas o uso quatro segundos mais rápido dos canais de imigração automatizados - caindo isto dos atuais 12 segundos. (minha tradução)
Pois é, tu podes ganhar inúteis quatro segundos num processo que demora apenas 12 segundos pelo preço de ter teus dados pessoais legíveis por instrumentos sem fio! E depois ainda tem gente que fica impressionada com o Occupy Central...

Postado no Trezentos.

Comentários

Anônimo disse…
Só podia ser coisa de país comunista mesmo, e... OPS!!

Expliquem essa, liberOtários.
Anônimo disse…
http://www.tribunadabahia.com.br/2015/01/14/atacado-varejo-cpf-sera-exigido-em-compras-acima-de-r$-400

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

E continua a disCUssão® sobre o Cadastro Único, agora com o nome de Registro Civil Nacional

No post anterior, eu falei sobre a versão 3.0 do Cadastro Único, o CU, que atende pelo nome atual de Registro Civil Nacional. Uma das novidades da disCUssão® sobre o CU 3.0 é a oposição corporativista ao CU 3.0 propriamente dito e a quem deve ser confiado o nosso CU.
Uma das novas brigas que surgiram pelo CU 3.0 dos brasileiros é entre Dias Toffoli e Julio Lopes, o relator do PL 1775/2015. O PL, de autoria do desgoverno Dilma Rousseff, diz que o CU 3.0 dos brasileiros será administrado pela Justiça Eleitoral, pois essa coleta ilegalmente informações biométricas dos eleitores brasileiros. O Sr. Lopes, por sua vez, quer que a Receita Federal administre o CU 3.0. E, felizmente, o impasse está gerado. O Globoreporta: O debate sobre identidade única para o brasileiro gerou acirrada discussão entre autoridades dos três Poderes na última quinta, na comissão especial da Câmara que analisa o projeto do Executivo que cria o Registro Civil Nacional (RCN). O negócio foi um petardo atrás do outro…