Pular para o conteúdo principal

Cadastramento de torcedores... Já começamos o ano com pé esquerdo

Em ordem cronológica, nós temos o PL 6908/2010 do ex-deputado :-) Carlos Roberto Massa Jr. (PSC-PR), vulgo Ratinho Jr. O PL do senhor Massa emenda o já ineficiente Estatuto do Torcedor (o Brasil deve ser o único local do mundo com um "Estatuto do Torcedor") com a seguinte proposta:
Art. 1º O art. 14 da Lei nº 10.671, de 15 de maio de 2003, passa a vigorar acrescido do seguinte inciso IV:
“Art. 14 ................................................................................
IV – cadastrar os torcedores e frequentadores dos estádios e demais locais de realização de eventos esportivos com capacidade para mais de vinte mil pessoas, nas seguintes condições e exigências:
a) os torcedores e frequentadores deverão ser cadastrados no ato da aquisição dos ingressos mediante apresentação de documento oficial e comprovante de endereço;
b) a identificação deverá ser feita por equipamento, de forma a associar o dado biométrico ao ingresso e à imagem fotográfica do torcedor ou freqüentador do evento;
c) as entradas e saídas do evento deverão ser monitoradas por meio de equipamentos de gravação de imagem, enquanto houver torcedor ou freqüentador;
d) as informações e imagens obtidas durante o evento deverão ser preservadas por um prazo não inferior a sessenta dias; e
e) as informações e imagens serão utilizadas somente com a finalidade de instrução de inquérito policial, administrativo ou ação judicial.”(NR)
Vamos por partes, como diz Jack, o Estripador. Alguém imagina como seria o controle de frequentadores numa Corrida de São Silvestre ou outro evento esportivo público do gênero? Imagina como seria o controle de pessoas na Meia Maratona Internacional do Rio de Janeiro e seus vários quilômetros de extensão? Um controle a cada quadra?

E não apenas o torce(sofre)dor tem que apresentar um documento de identidade, mas ele também deve apresentar um comprovante de endereço. Eu acredito que o desgoverno federal já deve fazer campanhas nos países que virão para a Copa do Mundo para pedir que seus nacionais tragam comprovantes de endereço atualizados como contas de luz, telefone, água, gás, contratos de aluguel ou escrituras. E se bem conheço as figurinhas, é melhor alertar para que se traduzam os tais comprovantes e os legalizem na autoridade consular brasileira mais próxima! E se isto não fosse o bastante, os torcedores deverão passar por um processo que o o juiz federal Julier Sebastião da Silva designou como "absolutamente brutal, atentatório aos direitos humanos, violador da dignidade humana, xenófobo e digno dos piores horrores patrocinados pelos nazistas". Para quem não sabe, o sr. Silva estava se retratando à coleta de impressões digitais por parte das autoridaes migratórias dos EUA.

Repetindo pela 1.556.305.899ª vez os casos de fraude com biometria (só os casos contra o Detran-SP já são suficientes), ou os problemas com as fantásticas urnas biométricas, ou como clonar impressões digitais, ou as elevadas taxas de erro da biometria por impressão digital, ou, por fim, a palhaçada da carteira do torcedor. Isto para não me estender na inutilidade de câmeras de vigilância. E, por fim, o projeto vem com aquela bizarra datação de coleta de dados pessoais com prazo mínimo e sem prazo máximo, o que só deve ocorrer no Brasil.

A ideia deste cadastramento é tão esdrúxula que foi rejeitada na Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado. Sim, a própria Comissão de Segurança Pública rejeitou o dito cadastro, como se lê no relatório do relator Marllos Sampaio (PMDB-PI):
Porém, há questões operacionais que tornam inviáveis algumas das alterações propostas.

A aprovação dos procedimentos definidos nas alíneas “a” e “b” tornariam a venda de ingressos em uma ação que poderia até mesmo dificultar a realização do próprio evento, uma vez que a infraestrutura para obter dados biométricos e fotografias de todos os torcedores (entre eles crianças e pessoas com mais de sessenta e cinco anos), em eventos como finais de campeonatos de futebol, que, às vezes, reúnem quase sessenta mil torcedores, seria de grande porte.
Até mesmo Renan Calheiros Filho (PMDB-AL) soltou um relatório contra o cadastramento, que foi aprovado na Comissão de Turismo e Desporto. Como diz o relatório:
Dentre algumas das determinações propostas, destacamos a identificação do torcedor por meio de equipamento eletrônico, de forma a associar seu dado biométrico e imagem fotográfica ao ingresso; o monitoramento das entradas e saídas do evento por meio de equipamentos de gravação de imagem; e a preservação das informações e imagens obtidas durante o evento por um prazo não inferior a sessenta dias.

Entendemos que o cadastramento do torcedor nos termos propostos é medida que, ao contrário de contribuir para a segurança dos frequentadores dos estádios, pode ser mais um elemento de confusão e distúrbio na organização dos eventos esportivos. O congestionamento nas catracas pode causar graves perigos e desordens. Além disso, é questionável a real capacidade de todos os clubes conseguirem colocar em prática um sistema confiável de cadastro, controle e seleção de torcedores. Nesse sentido, não acolhemos o cadastramento constante do proposto art. 14, inciso IV, “a” e “b”. (grifo meu)
O especialista em Direito Desportivo Gustavo Lopes levanta dúvidas sobre a eficácia do cadastramento de torcedores para evitar a violência.

"Na Inglaterra, na década de 80, discutiu-se a questão do cadastramento de torcedores e, lá, já na década de 80, entendeu-se que não era uma medida interessante para acabar com a violência. E, mais ainda: o Taylor, que era um juiz de primeira instância que elaborou um estudo bem meticuloso acerca da violência nos estádios de futebol, concluiu, já na época, que o cadastramento de torcedores, além de não acabar com a violência, poderia até aumentar a violência." (link meu)
Isto tudo até 7 de novembro de 2012, data da aprovação do relatório do dep. Calheiros.

Entra 2013. Aparentemente, sem conhecimento da objeção apresentada a um projeto de lei semelhante no Congresso Nacional (o que até evocaria questões de federalismo), o repórter Jocimar Farina (@jocimarfarina) bloga que o vereador Alberto Kopittke (PT) quer propor lei semelhante à Porto Alegre. Semelhante nada! O projeto consegue ser ainda pior para a privacidade do que o PL do sr. Massa. Não apenas os dados biométricos deveriam ser guardados por, no mínimo (o negócio no Brasil é ad æternum), inacreditáveis cinco anos onde ficarão à disposição dos órgãos de segurança pública sem necessidade de mandado judicial e com os custos cobertos pelo estádio. E eis que vem a bomba do projeto. Não apenas haverá a coleta de informações biométricas (que, por sinal, far-se-á sem nenhum controle legal a não ser o livre acesso sem mandado judicial por autoridades de segurança pública e a possibilidade de manutenção eterna dos dados) mas haverá cruzamento de informações:

Art. 1º – Fica obrigada a utilização de Sistema de Identificação Biométrica nas entradas dos Estádios e Sistema de Monitoramento por Imagem, em toda a área de uso comum dos Estádios de futebol com capacidade superior a 10.000 (dez mil) pessoas, no âmbito do Município de Porto Alegre, com base no Estatuto de Defesa do Torcedor, Lei nº 10.671 de 15/05/2003, Artigos 1ºA, 2º e 2ºA.
(...)
§3º – O Sistema deverá permitir o cruzamento, em tempo real com outros bancos de dados disponibilizados pelos órgãos de segurança, tais como:
I – Cadastro de Pessoas Impedias (sic) de Comparecimento às Proximidades de Estádios;
II – Foragidos;
III – Mandatos de Prisão;
IV – Cadastro Atualizado dos Associados ou membros das torcidas organizadas, conforme Art. 2º, parágrafo único do Estatuto de Defesa do Torcedor, Lei nº 10.671 de 15/05/2003;
V – Demais bancos de dados de órgãos públicos, relativos à Segurança Pública e Poder Judiciário. (grifo meu)

Eu não retornarei as questões técnicas de falso-positivo, falso-negativo e o tempo de espera para tal absurdo; é só ler este post ou pesquisar no blog. Quanto ao item IV, há um pequeno problema. O Estatuto do Torcedor diz o seguinte:

Art. 2o-A.  Considera-se torcida organizada, para os efeitos desta Lei, a pessoa jurídica de direito privado ou existente de fato, que se organize para o fim de torcer e apoiar entidade de prática esportiva de qualquer natureza ou modalidade.  (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
Parágrafo único.  A torcida organizada deverá manter cadastro atualizado de seus associados ou membros, o qual deverá conter, pelo menos, as seguintes informações: (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
I - nome completo; (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
II - fotografia; (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
III - filiação; (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
IV - número do registro civil; (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
V - número do CPF; (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
VI - data de nascimento; (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
VII - estado civil; (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
VIII - profissão; (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
IX - endereço completo; e (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).
X - escolaridade. (Incluído pela Lei nº 12.299, de 2010).

Em momento algum se fala na necessidade de coletar impressões digitais dos membros de torcidas organizadas. Então, como será possível uma comparação com o "Cadastro Atualizado de Torcedores" se este cadastro não possui a chave de indexação, impressões digitiais, que seriam coletadas nas entradas dos estádios? A não ser que os aparelhos leiam as impressões digitais e magicamente as transformem em fotografias ou nomes completos...

E chego na pior parte do projeto. Que diabos de consulta a "demais bancos de dados de orgãos públicos, relativos à Segurança Pública e Poder Judiciário" seria essa? Desde quando o caro Registro Geral e seu amigo o Consultas Integradas foram criados para acabar com o anonimato nos estádios? Aliás, tal acesso seria permitido por lei e por uma enttidade privada? Só para lembrar, a Constituição de 1988 (aquela que o partido do sr. Kopittke não assinou) só veda o anonimato para liberdade de expressão e o mesmo Estatuto do Torcedor nada fala da obrigatoriedade de identificação de torcedores (ver art. 13-A). Negar-se-á acesso a uma pessoa se ela não estiver nos "demais bancos de dados de orgãos públicos, relativos à Segurança Pública e Poder Judiciário"? Quero ver na Copa se algum torcedor vier dum país onde não há tais bancos de dados...

Finalizando a análise do PL Kopittke, temos uma multa ao descumprimento da lei no valor de 100 mil UFM (Unidade Financeira Municipal), que em 2013 vale R$ 2,9314, ou seja, R$ 293.140. Exemplificando, deixar entrar alguém proibido de entrar num estádio (mesmo que não ocorra nada) é mais caro do que atropelar e matar alguém. Razoabilidade e proporcionalidade!

E na justificativa do projeto (que consegue a façanha de citar a ditadura militar, se bem que na época ninguém precisava ter suas impressões digitais coletadas para entrar num estádio), o sr. Kopittke fala em reconhecimento facial, uma tecnologia que não consegue diferenciar Osama bin Laden de Winona Ryder ou que o Pentágono disse ser problemática.

O sr. Kopittke está pedindo opiniões sobre seu PL. A minha é NÃO a este projeto e ao projeto do sr. Massa!

Comentários

Lucho disse…
Peraí. Até onde eu sei o Ratinho Jr ainda é deputado federal. Quase que ele se tornou ex-deputado para se tornar prefeito de Curitiba.
Rodrigo Veleda disse…
O site da Câmara dos Deputados diz que o Ratinho Jr. está licenciado.

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…