Pular para o conteúdo principal

Aprende a fazer uma reportagem!

Ontem, o Jornal Hoje da TV Globo mostrou uma reportagem intitulada "Câmeras de vigilância ajudam a polícia reduzir a violência". O título da reportagem induz o leitor a pensar que as câmeras de vigilância previnem o acontecimento de crimes mas o primeiro exemplo citado desmente a tese furada das camerazetes:

Era um dia movimentado em um posto de combustíveis de Guarulhos, na Grande São Paulo, até um carro vermelho parar perto das bombas.

Um homem desceu armado e foi pra cima do segurança, que acabou sendo morto com cinco tiros. A imagem captada pelas câmeras de segurança é a única pista que a polícia tem sobre o assassino.
Ou seja, o fato de ter câmeras de vigilância no posto de combustíveis não impediu o homícidio do segurança, não cumprindo sua função de "reduzir a violência" a não ser, claro, que redução de violência seja exibição de morte em rede nacional de televisão. Depois, a reportagem cita o caso de Praia Grande, SP:
Praia Grande, no litoral é a cidade paulista mais vigiada. São 1.200 câmeras instaladas nas ruas, na orla e em prédios públicos.

E foram elas que alertaram a guarda municipal e a polícia para a depredação de escolas, para o vandalismo e para atitudes estranhas, como o furto de cocos das árvores que enfeitam a praia.

“Temos os monitores que ficam 24 horas ligados aos vídeos, havendo qualquer suspeita é chamado imediatamente ou viatura da PM ou da polícia civil”, comenta José Américo Peixoto, subsecretário de segurança Praia Grande.

De 2007 para 2008 o número de furtos diminuiu 26%. Os roubos, 24,5%. E o roubo de veículos quase 20%.
A reportagem não cita o fato da taxa de furtos e roubos não ter diminuído e ser consideravelmente maior do que as taxas do período anterior a instalação das câmeras de vigilância. Como já citei anteriormente:
A medida, no entanto, não é visível nos números da violência da cidade divulgados pela Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo. A prática na cidade de furtos e roubos —tradicionalmente as mais coibidas pelo monitoramento por câmeras— não diminuiu e foram consecutivamente aiores nos últimos cinco anos do que em 2002, último ano antes da implantação da medida. No ano passado [2007], a taxa de roubos foi a maior desde 1999: 388 por 100 mil habitantes. (grifo meu)
Logo após, cita-se São Leopoldo:
São Leopoldo, uma das cidades mais violentas do Rio Grande do Sul baixou a criminalidade com a vigilância eletrônica em quase 80%, em alguns casos.
Nada como uma declaração impossível de ser provada. Que crimes seriam esses? Qual o espaço de tempo da dita queda? Como era antes das câmeras serem instaladas? E como plus, o site da Secretaria de Segurança Pública do RS só tem estatísticas completas entre 2000 e 2006.

Preocupação com a privacidade das pessoas, como as imagens são tratadas e comparação de estatísticas pré- e pós-instalação das câmeras inexiste na reportagem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

ATUALIZADO EM 17 DE OUTUBRO - Eleições e biometria. Um desastre com o dedo do TSE

ATUALIZAÇÃO NO DIA 17 DE OUTUBRO

O TSE sustou a resolução do TRE-RJ pedindo a volta das urnas eletrônicas convencionais em Niterói, após o desastre da identificação biométrica dos eleitores naquela cidade. O desastre biométrico foi tamanho que 12,44% (quando o padrão para esta feitiçaria da segurança é de 8%) dos eleitores de Niterói não foram identificados pela leitura de suas impressões digitais e isto após terem oito, eu disse oito, dedos escaneados pela maquininha! E se isto não bastasse, temos mais uma declaração absurda do presidente do TSE, o sr. Toffoli: É necessário – e faço o registro em nome da Corte Eleitoral – pedido de escusas aos eleitores que tiveram alguma dificuldade no dia da votação no município de Niterói. Mas, por outro lado, não se pode simplesmente fazer, como algumas declarações veiculadas pela imprensa, a crítica ao sistema da biometria (itálico meu)É por essas e outras que digo que a questão das urnas eletrônicas é uma questão de fé. Um ministro do Supremo Tri…

Justiça Federal de São Paulo franqueia livre acesso a dados cadastrais de clientes da Claro

Depois daquela infame decisão do STF dizendo que a Receita Federal não precisa de autorização judicial para acessar dados bancários, não estou falando de dados cadastrais mas sim das movimentações, a garantia constitucional à privacidade e intimidade foi declarada inconstitucional. Tendo em vista isso, a Justiça Federal de São Paulo garantiu livre acesso aos dados cadastrais dos clientes da Claro sem precisar de ordem judicial, bastando unica e exclusivamente a vontade de delegados de polícia e de promotores.
Tudo começou quando o delegado de Polícia Federal de Sorocaba, SP requisitou a Claro a informação cadastral de dois chips numerados em 8950 53269 00157 80714 AACOO3 HLR69 e 89550 53168 00247 83503 AAC003 HLR68, com o aviso óbvio sobre a possível ocorrência de crime de desobediência. A Claro, por sua vez, respondeu: A impetrante aduz que as provas pretendidas pela autoridade impetrada dependem de competente ordem judicial, em virtude de tais dados cadastrais estarem abarcados por…