Pular para o conteúdo principal

Oba! As urnas biométricas fracassam!

Quem disse que a tecnologia não está a favor da privacidade. Em Fátima do Sul, MS, 30% do eleitorado não foram identificados pelas urnas biométricas e a votação demorou, em média, 100 segundos, ao invés dos 40 segundos previstos, 150% a mais do tempo previsto. E sobre a qualidade das impressões digitais:
Para o chefe do cartório eleitoral, Flávio Alexandre Martins Nichiku, a demora foi causada pelo não reconhecimento biométrico de alguns eleitores, que tiveram que voltar aos mesários e votar pelo sistema convencional. Nichiku explicou que desde o início do ano, quando foram recolhidas as impressões digitais dos dez dedos das mãos de cada votante, a textura da pele foi alterada, principalmente dos trabalhadores braçais.

O equipamento é bastante sensível, e qualquer alteração na pele compromete a leitura das digitais, mesmo contendo os traços de todos os dedos das mãos, conforme ocorreu com vários trabalhadores rurais - alguns deles com ferimentos em dois e até três dedos. O clima frio e chuvoso também colaborou no estreitamento das linhas digitais, impedindo o reconhecimento do eleitor.
Uau, que tecnologia avançada! Até o clima pode atrapalhar a leitura.

Já em Colorado do Oeste, Rondônia, simplesmente não há previsão para o fim da votação, já que as avanssadas urnas biométricas provocaram filas de 3 horas e meia. Eu disse, 3 horas e meia para que as urnas deixassem o eleitor votar.

P.S.: Mais informações sobre as urnas biométricas e suas encrencas em Fátima do Sul, MS:
A “novidade” apresentada como um sistema mais eficiente, seguro e prático chegou a receber elogios pelo caráter de inclusão social, acabando com o constrangimento dos analfabetos. Mas na prática mostrou uma realidade diferente, criando um novo tipo de exclusão: a dos “sem digitais”.
(...)
Em abril foram cadastrados os dez dedos de cada eleitor. No novo sistema, na ficha dos eleitores entregue aos mesários, também consta a foto do mesmo. Bastou passar cinco meses do cadastramento para que muitos eleitores perdessem o relevo das digitais.
(...)
Constrangimento para o eleitor que para não perder o voto teve que “retornar” ao sistema convencional da urna eletrônica. No final, o eleitor levou muito mais tempo para concluir o voto, e na saída ainda teve que enfrentar cara feia da fila que aguardava para votar do lado de fora. (grifos meu)

Imagina este sistema em todo o Brasil. As eleições com urnas eletrônicas demorarão mais do que com voto de papel!

Comentários

Dan disse…
Eles foram infelizes na escolha da biometria. Ou seja, já que cada seção terá seu processamento biométrico próprio. O interessante seria fazer um reconhecimento facial, biometria bem menos intrusiva e eficiente em pequenos bancos de "dados-imagem"...

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…