Pular para o conteúdo principal

Época sempre se supera #revistaepoca #cartaonacionaldasaude #sus

Em 5 de fevereiro de 2009, eu bloguei sobre o sermão religioso, quero dizer, reportagem da revista Época, em que o autor, anônimo na reportagem, tece inúmeras loas ao CU - Cadastro Único. Bem, aquilo mais parecia um press release do Ministério da Justiça conjugado com sermão da Seita do Identitismo.

Hoje, almoçando, vim a calhar de ler a edição 624 desta mesma revista. Esta edição tem uma reportagem com o nome "O Cartão que virou cartolina" sobre o fracasso do Cartão Nacional de Saúde, uma tentativa do governo federal de acabar com a privacidade dos usuários do SUS. A reportagem começa com as metas mirabolantes do sistema cujo cartão:
[D]aria acesso em tempo real a informações sobre o atendimento prestado a cada paciente desde o nascimento. Teria registros de consultas, exames e da medicação prescrita durante toda a vida.
Como diz a reportagem sobre o fim do sistema:
Ambiciosa para seu tempo, a ideia se mostrou cara e inviável diante de obstáculos impostos por diferenças regionais, suspeitas de fraudes em licitações e resistência dos profissionais da saúde.
Não é a primeira vez que a classe médica opõe-se a tal sistema, como eu já bloguei, a Associação Médica Britânica pediu boicote a sistema semelhante no Reino Unido para seus membros. Quanto a parte de custos, que no Brasil ficou em poucos R$ 418 milhões, as experiências britânicas, australianas e canadenses também nos mostram que estes sistemas falidos custam muito dinheiro. Além disso, a parafernália de apoio ao sistema apodrece em almoxarifados e o governo sequer ter uma estimativa confiável de quantos cartões foram emitidos. Isto é semelhante ao que ocorreu com o Projeto Presença. Tanto no Cartão Nacional do SUS como no Projeto Presença, a tequinolojia (termo que deve ser empregado em ambos os casos) dava muitos problemas e como já é praxe, cada ente da Federação empurrava o problema para outro.

Depois tivemos problemas na licitação, ou seja, suspeitas de fraude, problemas na transmissão de dados e problemas na emissão dos cartões; como diz Sônia Machado, da Secretaria de Saúde de SC, [o]s terminais foram um presente de grego”. Presente de grego este que o Ministério da Saúde recusou-se a receber de volta.

Com isso tudo, uma auditoria do TCU disse que o projeto transformou numa lista de usuários do SUS e nada mais. Curiosamente, ou não (trato disto no final), os srs. Rocha, Ramos e a sra. Lemos não conseguiram nem ler nem citar o acórdão 461/2004 do mesmo tribunal sobre a escandalosamente frouxa política de segurança de informação do DataSUS, o pretenso gestor do Cartão Nacional de Saúde. 

O governo, sem apreço à privacidade nem aos contribuintes, resolveu tentar novamente dando R$ 25 milhões para a Prefeitura de Belo Horizonte recomeçar do zero o sistema com um novo approach. Fazendo uma matemágica simples para cadastrar todos os brasileiros menos eu custaria a bagatela de R$ 1.951.799.129,26, dinheiro que sobra fartamente para a saúde. Para quem não sabe, isto corresponde a quase 4% do orçamento anual do Ministério da Saúde.

Antes do fim, temos o ceticismo do presidente do Conselho Nacional da Saúde:
Apesar das alegações do Ministério da Saúde de que providências foram tomadas para corrigir o programa, há ceticismo entre os profissionais em relação ao êxito das medidas. “O problema é que o governo está no fim, e não saberemos se uma solução será encontrada até lá”, afirma o presidente do Conselho Nacional de Saúde, Francisco Batista Júnior. “A situação torna-se ainda mais grave porque muito dinheiro já foi investido no cartão do SUS sem que o retorno tenha sido alcançado.” Batista diz que, para piorar, ninguém foi punido pela má aplicação dos R$ 418,6 milhões.

Calma! Isto é uma reportagem de Época portanto o último parágrafo é um manifesto de fé:
O cartão do SUS é um projeto ousado, que começou no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e foi mantido no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas ainda não ficou de pé. Agora, às vésperas de uma nova mudança no comando do país, o Ministério da Saúde anuncia um novo sistema, que aparentemente não será concluído até o fim do ano. A primeira tentativa de implantação do cartão do SUS não deu certo. Espera-se que essa nova tentativa seja mais bem-sucedida.
Eu acredito que este tipo de encerramento deve estar prescrito no Manual de Estilo da dita revista. Ao contrário da reportagem sobre o CU, esta em nenhum momento mencionou a questão da privacidade dos usuários do SUS (na reportagem sobre o CU, o pseudocontraponto levando em conta a privacidade trazia a opinião de alguém que é favorável ao dito cadastro único). Até, em razão disto, que eu não esperava que o trio fizesse uma análise profunda e documentada sobre os riscos à privacidade dos usuários nem as reações contrárias a este tipo de sistema pela mesma razão em outros locais do mundo.

Mais um exemplo da incapacidade dos governos em gerenciar informações pessoais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Como clonar digitais

Recordar é viver. Em 18 de abril de 2008, eu mostrei como clonar impressões digitais, usando materiais extremamente sofisticados como cola de madeira, SuperBonder, câmera fotográfica papel de slide e impressora a laser (tipo de coisa que só gente com muito dinheiro e contatos conseegue ter). Como o link anterior quebrou, resolvi republicar esta matéria. Alguém por favor mande isto para o sr. Ricardo Lewandowski!

Para quem ainda tem alguma ponta de confiança na biometria, traduzo um guia prático de como fazer impressões digitais de outros para ti.
Como falsificar digitais?
Starbug no Chaos Computer Club

Para falsificar uma impressão digital é necessário uma primeiro. Digitais latentes nada mais são do que gordura e suor em objetos tocados. Desta forma, para capturar a impressão digital de alguém (neste caso, a que tu queres copiar), deve-se utilizar métodos forenses, o que será explicado aqui. (Foto 1)


Foto 1: Resíduo gorduroso duma digital

Boas fontes de impressões digitais são vidros…

Digitais falsas

Os Zé Cadastros que povoam o Brasil adoram afirmar a "confiabilidade" da identificação de pessoas por meio de impressões digitais, como, por exemplo, este texto do Instituto Nacional de Identificação da Polícia Federal:

O sistema datiloscópico é o método mais prático e seguro de identificação humana, razão por que tem sido largamente utilizado, desde a sua descoberta até os dias atuais, na área civil e criminal.

A identificação humana através das impressões digitais, é sem sombra de dúvida, a maneira pela qual pode-se afirmar ou negar a identidade de uma pessoa.Método mais prático e seguro? Eu não sabia que, agora, um sistema com uma taxa de falso-negativo de 15% seja prático e seguro. E também não sabia que a "identificação humana através das impressões digitais" seria a única maneira de afirmar ou negar a identidade de uma pessoa, ainda mais considerando que a universalidade (quão comum é entre as pessoas) das impressões digitais é considerada média. Além disso, de…

Venda de senhas do Infoseg

50 pessoas foram presas em todo o Brasil acusadas de venderem senhas de acesso para o Infoseg, uma rede de informações criminais mantidas pelo Ministério da Justiça. Desde abril, a Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça, que mantém o sistema, já cancelou 5 mil senhas.
A operação deu-se nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul (uma tradição gaúcha), Goiás, Santa Catarina e Paraíba. Aí, o Secretário Nacional de Segurança Pública Ricardo Balestreri solta uma fenomenal: Não podemos deixar que a intimidades das pessoas seja devassadasNão terei o trabalho de comentar os erros de português mas a frase do secretário não pode ser mais ridícula uma vez que não corresponde à realidade dos fatos, onde a intimidade das pessoas são violadas diariamente simplesmente, por exemplo, estarem inscritas no CPF do Ministério da Fazenda, que alimenta dados para o Infoseg, embora tal rede só seja para "criminosos". Além disso, não podemos nos esquecer do comércio de s…